Os terríveis 2 anos … será?

A adolescência do bebê ou o famoso “terríveis dois anos ” já ouviu falar? Pois é , nesta fase que a criança passa a se comportar de modo contrário às ordens dos pais. De repente, a criança que era obediente e fofinha passa a berrar e espernear diante de qualquer pedido. Bate, debate, atira o que estiver à mão ao chão e choraminga cada vez que solicitamos algo. Diz não para tudo, resiste em seguir qualquer orientação – para trocar uma roupa, sair de um local ou guardar um brinquedo.

POR QUE ISSO ACONTECE?

Nos primeiros anos de vida do bebê, ele só engatinha e é totalmente dependente. Não consegue comer sozinho, tampouco falar. Dos 10 meses em diante, já está apto a andar e começa a desenvolver autonomia para ir e vir. A partir dos 2 anos, a criança já consegue se expressar e frases como “eu quero” ou “é meu” passam a ser usadas constantemente, além de ele se comportar de modo contrário às solicitações dos pais.

Na prática, a criança passa a verbalizar aquilo que deseja (ou não). E é aí que começam os conflitos entre pais e filhos.

Não é uma regra. Algumas crianças demonstram essas características mais intensamente do que outras.

O QUE EU FAÇO?

Primeiramente, descarte palmadas, tapas, puxões de orelha ou qualquer outro comportamento agressivo para tentar conter a birra. Jamais ceda às manipulações, como choros, pedidos de ajuda e reclamação . Avise-o de que só vai conversar depois que ele se acalmar. Opte por disciplinar a criança após a birra, que é o momento em que ela está colocando para fora sua frustração e seu descontentamento.

Após ela parar de fazer a birra, você se abaixa para conversar. É sempre muito importante que a criança compreenda o que fez e o porquê de sua ação. Evite dar broncas e repreender seu filho na frente de outras pessoas para que ele não se sinta constrangido e você também. Uma dica bacana para mudar o foco da birra é chamar a atenção da criança para outra situação. Mostre um objeto ou comece a falar de outro assunto. 

A família tem papel fundamental no processo de aprendizagem, porque os filhos refletem os hábitos, as atitudes dos pais, como se fossem um espelho. Então, se o pai ou a mãe grita demais ou fala palavrão, por exemplo, a criança vai assimilar aquilo como sendo correto e repetir .

Na hora, o pai ou a mãe deve se abaixar na direção do filho, falar olhando diretamente nos seus olhos e explicar o que houve de errado. Por exemplo: ‘olha, a gente te ama, mas o que você fez foi muito feio e nos deixou triste. Espero que isso não se repita’. É importante usar palavras de carinho junto com a advertência. É necessário conversar e explicar. 

DICAS

• Eles podem decidir pequenas ações do dia a dia, como o sabor do sorvete e que cor de camisa usar, que brinquedo levar pra praça, etc. Porém, outras decisões não podem entrar em negociação de jeito nenhum, como a hora de ir pra cama, comer legumes ou usar a cadeirinha dentro do carro.

• Entenda que é uma fase de aprendizado e mostre o caminho. Converse com o seu filho antes e depois de sair de casa. Explique o que irá acontecer e como espera que ele se comporte

• Se o seu filho costuma fazer birra em lojas de brinquedos, shoppings, parques e supermercados, procure conversar com ele antes e explique que vocês só irão fazer um passeio e que não poderão comprar nada.

• Se algo der errado no passeio, procure demonstrar que o ama muito, mas que o que ele fez foi errado e que deixou todos magoados.

• Nunca ameace e não diga ao seu filho que irá deixar de gostar dele, se ele fizer birra. Isso só gera mais raiva e insegurança na criança.Lembre-se, nessa idade, ela é o reflexo de nossas ações.

• Não sobrecarregue a criança com muitos afazeres e atividades, isso pode deixá-los cansados e consequentemente irritados. Além da rotina puxada da escolinha , muitos pais colocam os pequenos no ballet, música, natação, jazz. Cuidado para não sobrecarregar a criança. Dessa forma, o convívio familiar fica muito restrito, o que pode aumentar dificuldades de relacionamento e estresse nos pequenos.

• É importante estimular a criança a realizar tarefas sozinhas, desde que esteja de acordo com a sua idade, claro. Procure introduzir alguma tarefa que esteja mais perto do cotidiano da criança. Por exemplo, depois de brincar, estimule o seu filho a guardar os brinquedos, para que ele já entenda o que é organização, ou ajude-o a arrumar os livrinhos na estante dele.

Paciência, vai passar !

Educação demanda tempo, esforço e paciência, mas é uma responsabilidade dos pais. Todos sabemos que os pais chegam esgotados do trabalho e não têm muito tempo ou energia para cuidar dos filhos. Por isso, em vez de interagir com a criança, oferecem-lhe um jogo ou o celular para entretê-los. Mas a partir do momento em que a pessoa tem filhos, é importante estimular o vínculo com eles! Não espere que eles se adaptem a sua rotina. É você que se adapta a rotina deles.

Autor: Dra Fernanda Naka

Pediatra

Uma consideração sobre “Os terríveis 2 anos … será?”

  1. A minha filha tem 2 e 4 meses. Além de tudo isso que foi falado sobre as birras, ela também bate no próprio rosto, cabeça ou bate a testa no chão ou parede sempre que contrariada. Fico tão triste de vê-la se machucando que sempre que possível para evitar largo tudo que estou fazendo, e fico com ela no colo até ela se acalmar.
    Estou correta em agir assim?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: