Vamos falar sobre o Yumme kids ?

Sim, uma verdadeira febre entre as mães, o Yumme kids está dando o que falar . E você, conhece ?

De acordo com o fabricante, o Yumme Kids é um composto a base de ácidos graxos essenciais, como ômega 3, que são vitais para o desenvolvimento das crianças. Esse composto presente no Yumme Kids age na formação da bainha de mielina, um componente dos neurônios.Assim, ocorre a melhora do desempenho cognitivo.

COMO ELE FUNCIONA?

Trata-se de um suplemento , não uma medicação, a base de ômega 3. Ômega-3 e 6 são tipos específicos de gorduras, os chamados ácidos graxos poli-insaturados de cadeia longa. O nome é complicado, mas trata-se de um tipo de gordura do bem. São considerados essenciais, pois não vivemos sem eles e nosso organismo não os produz. E por isso é tão importante consumir alimentos que contenham a gordura .

As fontes naturais de ômega-3 são, principalmente, os peixes de águas frias como salmão, sardinha ou atum. A linhaça também é uma fonte de ômega-3. Já o ômega-6 é obtido com a ingestão de óleo de milho, de soja ou de girassol, por exemplo.

PORQUE ÔMEGA-3 FAZ BEM A SAÚDE?

O ômega-3 é essencialmente importante para o organismo, em todas as fases da vida, a começar na vida intrauterina. Participa principalmente da formação da visão do feto e garante que a membrana das células fique mais fluida e possa desempenhar melhor suas funções em todos os órgãos.   

O leite materno é muito rico em uma substância chamada DHA, que é derivado do ômega-3. Este DHA é essencial para a o desenvolvimento neurológico do bebê. 

Leite materno contém DHA!

Durante a infância e adolescência, o cérebro continua a se desenvolver e o ômega-3 continua e ser um nutriente de extrema importância, colaborando para o aumento da capacidade cognitiva de crianças e adolescentes.

O ômega-3 também atua na melhora do sistema imunológico, sendo uma boa opção para as crianças. Mas atenção! Ele não protege a criança ou adulto em uma infecção por covid , ok?

LEMBRA DO ÓLEO DE FIGADO DE BACALHAU?

Você com certeza já tomou na sua infância o famoso óleo de fígado de bacalhau , não é mesmo ? E é semelhante ao Yumme kids ,por conter ômega-3 ,mas de uma forma mais saborosa .

Cuidado com a superdosagem ! Antes de usar qualquer suplemento , converse com o seu pediatra. Alérgicos a peixe e hemofílicos não podem fazer uso do ômega em grande quantidade. O ideal é que a fonte desta gordura do bem venha de uma alimentação saudável.Consumir peixe de 3 a 4 vezes por semana já é o suficiente para suprir as necessidades semanais de ômega 3.

Ah! E tudo isso não é novidade , viu ? Sua mãe já estava certa que tomar óleo de fígado de bacalhau e comer peixe deixam mais inteligente…

Sardinha e atum são boa opções para incluir na dieta do seu filho

Alergia ao ovo e seus mitos

Está pensando em adicionar o ovo no cardápio do seu filho? Vá em frente! A partir dos 6 meses de idade , o ovo deve ser inserido na dieta da criança.

Até um tempo atrás acreditava-se que primeiro deveria ser introduzida somente a gema e depois a clara. Essa não é mais a recomendação geral : estudos recentes e o próprio manual da Sociedade Brasileira de Pediatria recomendam a introdução de GEMA E CLARA já na primeiras papinhas.

O ovo é um alimento riquíssimo para oferecer ao bebê e à criança. Fonte de proteínas e vitamina B12, B2, B5, A , ferro e selênio.

O jeito CORRETO de oferecer o ovo ao bebê é com clara e gema bem cozidas, para evitar a contaminação por bactérias. Comece oferecendo 1/4 do ovo para perceber a aceitação e reação do bebê e vá aumentando a quantidade aos poucos. 

Mas e a tal alergia do ovo ?

A alergia ao ovo geralmente se inicia nos primeiros anos de vida . É considerada a segunda alergia alimentar mais comum, competindo com o leite de vaca.

Geralmente as alergias alimentares se manifestam em crianças predispostas geneticamente. As manifestações alérgicas se iniciam poucos minutos após a ingestão do ovo, podendo a criança apresentar sintomas na pele: urticária e angioedema, dermatite atópica, sintomas respiratórios (asma e rinoconjuntivite), sintomas gastrointestinais (vômitos, diarreia e dor abdominal) até a anafilaxia (quadro mais grave).

Como saber se meu filho tem alergia ?

A suspeita diagnóstica inicial é feita através da observação dos pais ao oferecer o alimento . Em caso de surgirem manifestações alérgicas , como vermelhidão e edema de lábios , os testes alérgicos são recomendados.

O tratamento baseia-se na exclusão do ovo da dieta durante 1 a 2 anos. Os pais deverão receber orientação verbal e por escrito quanto a fontes prováveis do ovo na alimentação habitual, sobre termos e sinônimos de ovo.

Se a criança estiver em aleitamento materno, a mãe deverá ser orientada a excluir ovo de sua dieta.

E as vacinas que levam ovo?

• A vacina tríplice viral (sarampo, rubéola e caxumba) já não contém mais a proteína do ovo e pode ser aplicada tranquilamente sem nenhum problema.

• A vacina da gripe pode ser administrada com segurança a pacientes com alergia ao ovo.Nos últimos anos, tivemos avanços que permitiram reduzir substancialmente a quantidade de ovo utilizada na produção das doses.Com essa evolução, a probabilidade de um evento adverso alérgico ficou muito pequeno, quase nulo.

A vacina da febre amarela é a única que ainda possui restrições para alérgicos ao ovo . Não está contraindicada , mas deve ser analisado pelo pediatra quando e como tomar .

Atenção !

O consumo de ovo é indicado devido ao grande valor nutricional , a partir do sexto mês de vida . Recomenda- se a observação de sinais de alergia ( urticária , vermelhidão , edema ) e em caso de dúvida , relatar ao seu médico.

A ingestão do ovo não serve para “acostumar o corpo ” e poder tomar a vacina da febre amarela , mas para diagnosticar possíveis alérgicos antes da aplicação .

Fica a dica .

Meu filho não bebe água !

A água é essencial para o bom funcionamento do corpo , pois serve para regular a temperatura corpórea, eliminar toxinas e realizar a digestão dos alimentos.Além disso, ela é essencial para evitar o surgimento de cálculos renais, que são cada vez mais comuns entre o público infantil. A quantidade que uma criança necessita ingerir ao dia pode variar de acordo com peso, tamanho, atividade física que pratica, temperatura do ambiente e alimentos que consome.

O corpo da criança está composto de 80% de água, enquanto o de um adulto está formado por 65% de água. Por isso , os pequenos necessitam de uma reposição mais frequente quando comparado a um adulto .Veja a necessidade de água para cada faixa etária :

• entre 6 meses e 1 ano :a necessidade varia entre 800 ml a 1 litro de água por dia ;

• entre 1 a 3 anos : precisam ingerir 1,3 l por dia . Evite de oferecer líquidos antes ou durante as refeições . O ideal é beber somente após ;

• entre 3 a 8 anos : a quantidade fica próxima a do adulto , sendo de 1,7 l por dia .

Vale lembrar que as mães de bebês em aleitamento materno exclusivo não devem se preocupar, pois o leite materno já contém água suficiente em sua composição para hidratar o filhote e suprir todas as necessidades dele. Portanto, até os seis meses de vida, não é preciso oferecer mais nada à criança, conforme recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Meu filho faz xixi muito escuro

Um dos sinais de que a ingesta de água está menor do que o adequado é a coloração da urina : se escura e de odor forte , precisa abastecer o tanque . Principalmente nas infecções urinárias , onde a dose de água deve ser aumentada . Digo sempre para “encharcar” a criança , para retirar / lavar toda a bexiga e vias urinárias .

Ofereça a cada 3 horas um copo de água , é com o tempo , a criança irá adquirir o hábito.A água ajuda a limpar o organismo de toxinas e de elementos que devem ser eliminados. Além disso, serve para melhorar o metabolismo dos alimentos e é importante para evitar a prisão de ventre. Por isso, é importante acostumar a criança a beber água mesmo que não tenha sede.

Atrativos para dar ajudinha

Para ajudar as crianças maiores que não foram incentivadas a tomar água desde bebês, use alguns recursos para mostrar o quão gostoso é beber água. Escolha um copo bonito ( e de preferência , com canudo ) para manter sempre à postos no filtro de água. 

Abuse das jarras aromatizadas com rodelas de frutas e flores, como morangos e rosas. Use cubos de gelos coloridos e divertidos ou feitos de sucos e frutas naturais (manga, melancia, kiwi e uva). Chás (mate, camomila, hortelã) também são uma opção, mas prefira servir sem açúcar, para a criança aprender o sabor natural dos alimentos e não apenas o paladar doce.

Fica a dica.

Como descongestionar um nariz em 7 passos

O papel do nariz é melhorar a qualidade do ar que respiramos. No entanto, certas condições inflamatórias, infecciosas, alérgicas ou mesmo anatômicas, como o desvio do septo e a presença de pólipos, podem interferir na passagem do fluxo de ar pelas narinas e provocar congestão nasal, o popular nariz entupido.

O mecanismo é fisiológico.  Quando algum agente agressor atua como irritante, os vasos sanguíneos, que irrigam o nariz, dilatam, o volume de sangue aumenta e os cornetos incham, obstruindo a passagem do ar. O entupimento do nariz é um mecanismo de defesa do organismo para impedir a entrada e o transporte de elementos nocivos para outros órgãos das vias aéreas.

Congestão nasal não é doença. É sintoma. Identificar a causa é fundamental para orientar o tratamento, quando necessário.

Uso descongestionante ?

O fato é que a dificuldade para respirar traz bastante desconforto. Por isso, ao primeiro sinal de nariz entupido, é comum a pessoa recorrer ao uso dos descongestionantes nasais. Mas lembre-se de que este tipo de medicação é de uso proibido na Pediatria , mesmo diluído em soro fisiológico.

Embora a ação do medicamento seja rápida, a sensação de alívio é passageira.  Depois de algum tempo, o nariz volta a entupir, o que obriga a pessoa a ir diminuindo, progressivamente, a ponto de precisar ter sempre à mão um frasco do medicamento para poder respirar melhor. 

Outro problema é que a ação dos descongestionantes nasais não se restringe ao alívio do nariz entupido. O uso inadequado pode levar a aumento da pressão arterial, trombose, tonturas , dor de cabeça e arritmias . Nas crianças pode provocar depressão do sistema cardiorrespiratório e levar à morte. E não há exagero nessa afirmação! Segundo dados fornecidos pelo Ceatox (Centro de Assistência Toxilógica do Hospital das Clínicas de São Paulo), depois dos anti-inflamatórios e dos analgésicos, os descongestionantes nasais são os medicamentos de venda livre que mais complicações graves podem apresentar.

O que fazer ?

1. Lavagem nasal

Ela elimina o agente alergênico ( pó , ácaros , pelos de animais ) , auxilia na retirada de secreções e umidifica a narina . Pode se feita com soro fisiológico na forma de conta gotas ou spray , mas o jato continuo é sem duvida a melhor opção .

2. Umidificar o ambiente

No inverno é necessário umidificar o ambiente . Pode ser através de bacia , toalha ou umidificador . A inalação somente com soro fisiológico não substitui pois é uma solução temporária .

3. Eleve a cabeça ao dormir

Facilita a saída de secreções e é uma maneira rápida para auxiliar a criança a dormir .

4. Faça compressa quente

As compressas quentes funcionam da mesma maneira que o vapor para o nariz congestionado — apenas o método é diferente. Coloque um pano quente (cuidado para não se queimar) sobre os olhos e o nariz e fique deitado enquanto respira normalmente. Permaneça nessa posição até que o pano esfrie.

5. Trate a causa

De nada adianta usar um monte de xarope sem tratar a causa : desvio de septo , rinite ou hipertrofia de adenoide tem tratamento . Usar corticoide nasal ( Busonid , Plurair , Noex ) faz toda a diferença nos casos alérgicos , por exemplo .

Casos crônicos e persistentes devem ser avaliados por um pediatra – crianças costumam inserir pequenos objetos ( feijão , brinquedos e papel ) nas narinas – sendo a congestão nasal o único sintoma nas maioria dos casos .

6. Cuide do ambiente

Troque o travesseiro a cada 6 meses , retire bichos de pelúcia e não use cobertores com pelo . Dê preferência para edredom e não coloque cortinas ou tapetes no quarto das crianças .

Deixe as janelas abertas durante o dia , para arejar e não deixe o inseticida ( aquele de tomada ) próximo a cabeceira da cama .

7. Use aspirador nasal

O uso do aspirador nasal com a lavagem funciona muito bem . Evite os modelos antigos e opte pelo aspirador boca – nariz :

Fica a dica .

10 dicas para o seu filho comer bem (sem brigas)

Queixa frequente entre as mães , cerca de 50% das crianças têm problemas de alimentação , são seletivas , demoram para comer, muita briga e lá vem o desespero das mães….Vai ficar doente assim!

Antes de mais nada, é preciso ficar claro: comer bem não significa comer muito, e sim de forma equilibrada. Parece simples, mas é aí que mora o desafio. Enquanto algumas famílias se queixam de que o filho não gosta de nada, outras contam que ele recusa vários alimentos, mas devora exatamente as mesmas comidas todos os dias. A alimentação infantil é mesmo cheia de questões.

10 passos para seu filho comer bem

1- Não (o) brigue :

Ajude seu filho ou filha a criar uma ligação saudável com a comida desde bebê. Para tanto, não use alimentos (doces ou salgados) como método de castigo, pressão ou prêmio, porque esses comportamentos podem criar associações perigosas na cabeça de crianças.

O horário das refeições deve ser prazeroso , não um palco de punições e ameaças .

2- Rotina :

Criança precisa de rotina.Fixar o mesmo horário das refeições durante a semana e aos finais de semana ajuda , muito.Respeite o horário delas , você se adapta a elas e não o contrário.

O organismo adapta-se as rotinas – naquele horário das refeições o cérebro irá iniciar a liberação de suco gástrico , dando aquela sensação de fome . Todo o corpinho estará na espera pelo alimento , facilitando muito a aceitação .

3- Variedade:

• As crianças aceitam ou rejeitam as coisas de acordo com o momento. Quando ela recusar a comida, ignore e ofereça de novo mais tarde. Outro segredo é variar no preparo. Exemplo: sirva a cenoura crua, cozida ou ralada .

• Invista em alimentos miniatura, pois fazem com que as crianças sintam que aquilo foi feito só para ela , como mini legumes (cenoura baby ) ou ovinhos de codornas por exemplo, tendem a agradar bastante.

• Apresente formas inusitadas. Não precisa fazer carinha na comida 😜, mas no meio da semana , faça um espetinho de carne ou de legumes , ou que tal uma pizza de frigideira com legumes? Abuse da criatividade.

4- Ponha a mão na massa :

Mãe que cozinha geralmente o filho come melhor. Não precisa virar uma chef de cozinha , apenas coloque a criança na preparação de alguns alimentos . Comece com saladas , lanches e bolos .

5- Seja o exemplo:

Se os pais não comem frutas e verduras porque seu filho será diferente? Eles se espelham no nosso comportamento. Coma uma verdura com a mesma voracidade de um doce ! Isso despertará o interesse da criança .

As porções devem ser pequenas , mais ou menos do tamanho do punho fechado da criança !

6-Socialize-se :

Chame os amigos da escola ou do prédio na hora das refeições , pois sentar com outras crianças ajuda muito. Elas ficam curiosas em experimentar novos alimentos quando observam os outros.

7- Não troque leite por comida:

Não ofereça nenhum alimento ou mamadeira antes das refeições principais ( almoço e jantar) , pois irá reduzir o apetite: ” Meu filho não come , mas pelo menos bebe leite” é um mito comum na cabeça dos pais.

Após os 6 meses de idade o leite , materno ou não , deixa de ser a principal refeição da criança , pois ela necessita de outros nutrientes e em uma quantidade maior para manter seu aporte energético.

É comum uma criança que não come bem tomar mamadeira com algum engrossante ( farinha láctea , mucilon ou sustagen ) em uma tentativa de aumentar o peso ou oferecer mais vitaminas . Minha opinião : não funciona . Tente reduzir ao máximo a mamadeira , principalmente durante o dia , e tenhas planos de suspender a mamadeira da noite também .

8- Desligue os eletrônicos ,inclusive a tv:

Evite distrações durante as refeições (dê de comer em um local tranquilo). Dar comida com a criança andando , assistindo tablet ou tv faz com que ela não perceba que naquele horário , ela precisa se concentrar na mastigação e comer .

Limite o tempo :15 minutos para começar a comer , 25 minutos para terminar. Quando focada no que está fazendo , o trabalho rende mais e é mais rápido , não é mesmo ?

9- Faça das refeições um evento família :

Mas eu trabalho fora o dia todo! Ora , fique tranquila , não precisa ser toda refeição , mas sem dúvida os pequenos comem melhor quando os pais estão na mesa .

Conte com a ajuda dela para montar o cardápio da semana. Peça a ela para escolher um prato e os pais escolhem outro. O mesmo vale para quando a família vai a um restaurante: a mãe pode sugerir que ela escolha o prato do filho e o filho escolhe o dela

10- Regra das 5 cores:

Uma regrinha que funciona muito bem – todo prato deve ter 5 cores , pois assim oferecemos uma boa variedade de vitaminas em uma refeição.

Qual o melhor leite ?

É difícil imaginar uma infância sem a presença do leite. Mas, e quando acaba o período de amamentação exclusiva e as crianças começam a comer alimentos sólidos, é preciso continuar tomando leite materno ? E para os bebês que usam fórmulas , quando começar a dar leite de vaca ?

Afinal qual é o leite ideal para cada idade e cada criança?

Não há dúvidas em relação aos benefícios do leite materno. A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde recomendam o aleitamento materno por dois anos ou mais, sendo exclusivo nos seis primeiros meses. Contudo, as opiniões dos especialistas em relação ao leite de origem animal, fórmulas infantis ou outras dietas ideais variam muito.

Com tantas marcas e tipos de leite , animal e vegetal , é comum os pais questionarem qual o melhor leite para uma criança. No post de hoje vou marcar as diferenças de cada um :

Leite de vaca

Leite pausteurizado ( saquinho ou caixinha ) , pó ou in natura ?

O leite de caixinha , ao contrário do que as pessoas pensam , não possui conservantes e por isso dura mais tempo.Na verdade é o processo de ultra filtração e o tipo de embalagem que permitem a duração por meses. Não há conservantes .A presença de soda cáustica e água oxigenada são alterações , proibidas, para melhorar o sabor de um leite impróprio para o consumo, mas isto é exceção.

Entretanto, devido à alta temperatura durante improviso de pasteurização , há a perda de muitos nutrientes no processo.

Não existe uma marca mais adequada para crianças ! A fórmula do Ninho , por exemplo , não o torna mais nutritivo do que as demais disponíveis no mercado.

o leite de garrafa ou saquinho, difere entre os seus tipos ( A,B ou C) devido ao grau de contaminação de bactérias. Ou seja : o leite tipo A possui uma menor concentração de bactérias em relação ao tipo B e C .

O leite de garrafa , integral do tipo A , é a escolha mais nutritiva para crianças maiores de 2 anos .

E o leite de vaca cru?

O leite cru , aquele direto da vaca , transportado muitas vezes em garrafões de alumínio não são adequados para o consumo. Apresentam grande quantidade de bactérias e transmitem doenças , como tuberculose, gastroenterites, salmoneloses e possuem uma elevada quantidade de gordura , levando ao aumento de colesterol .

Leite de soja

A soja é um alimento nutritivo , com vitaminas A , B12 e ainda pode ser uma alternativa para as pessoas intolerantes a lactose ou com alergia à proteína leite de vaca . Contém cálcio em uma quantidade inferior ao leite de vaca , mas com a vantagem de não ter gordura animal , sendo uma boa escolha para quem tem problemas de colesterol.

Menos calórico , deve ser utilizado com cuidado nas crianças com baixo peso. Não é a primeira opção para crianças , por ser nutricionalmente inferior ao leite de vaca .

O leite de soja tem hormônio feminino ?

Possui isoflavona , substância semelhante ao hormônio feminino e se ingerida em grande quantidade , pode levar a puberdade precoce em meninas . Não há indícios de infertilidade ou feminilização em meninos.

É importante lembrar de que as formas mais vendidas no mercado , a de suco de soja , não são iguais ao leite de soja , pois são diluídas com suco de frutas , reduzindo o valor de cálcio da porção.

Leite de cabra

Pouco utilizado , oferece uma boa quantidade de cálcio , mas perde em outros nutrientes , inclusive o ácido fólico. Devido às outras opções mais nutritivas , acabou em desuso na pediatria.

Leite de amêndoas, aveia e arroz

São opções mais caras e com pouco valor calórico , sendo o seu uso muito restrito na dieta das crianças. Cuidado com o desenvolvimento de alergias , comuns em crianças , principalmente em relação as castanhas.

Fórmulas lácteas

Indicadas para crianças menores de 1 ano , são fórmulas feitas à base de leite de vaca , mas com uma composição de nutrientes vitaminas e prebioticos para facilitar a digestão dos bebês . Uma boa alternativa para o bebê que não está em aleitamento materno.

As fórmulas não podem ser misturadas com farinhas , achocolatado ou frutas !

E o composto lácteo ( ou leites de crescimento) ?

Mais conhecidos pelo nome comercial ( Milnutri , Ninho Fases , Enfagrow ) são semelhantes às fórmulas lácteas – produtos à base de leite de vaca enriquecidos com vitaminas . Indicados para crianças maiores de 1 ano , possuem uma alto valor calórico devido à grande quantidade de açúcar na sua composição .

Não é a primeira opção para crianças ! O leite de vaca pasteurizado ( puro ) e uma boa dieta enriquecida com frutas e verduras continua sendo a recomendação dos especialistas.

Fica a dica!

Já trocou de leite e não deu certo ?

Seu bebê nasce e, antes mesmo de deixar a maternidade, vai passar por uma série de exames com o objetivo de diagnosticar possíveis problemas que possam comprometer a saúde dele. Nos primeiros dias de vida, o recém-nascido vai receber as vacinas e muitas outras picadas virão até ele chegar à adolescência, fase em que o sistema imunológico se iguala ao de um adulto.

Há também outra medida mais simples e natural de fortalecer a imunidade do seu filho : a amamentação.Os benefícios são inúmeros, a começar pelo conteúdo nutricional, já que o leite materno, você sabe, é o alimento mais completo e equilibrado para o bebê.

Mas e para aqueles casos aonde será necessário a complementação de fórmulas ?

Criada em 1865 por um químico alemão , as fórmulas lácteas mudaram muito desde então . Com base no leite de vaca , foram acrescentados óleos essenciais ao desenvolvimento neurológico e muitas vitaminas . Tudo para torná-lo o mais próximo do leite materno .

Qual leite escolher ? Nem sempre será uma tarefa fácil ( e até já escrevi posts sobre o assunto ) e tem muita mãe fazendo a “farra do leite” por aí . Mas vamos ver o porquê você não deve fazer isso .

Não troque as marcas de leite , por favor !

Atendo muitas dúvidas pela minha página do Facebook . São mães que , desesperadas , já trocaram as fórmulas dos seus bebês 3 até 4 vezes . Iniciam a marca orientada na maternidade e vão realizando trocas até encontrarem a “fórmula ideal”.

O motivo principal de tanta troca ? Cólicas e constipação são as principais causas , seguido do fator financeiro .

Constipação , será mesmo ?

Veja , claro que existem diferenças entre as principais marcas do mercado : Aptamil , Nan , Enfamil . Mas , na maioria esmagadora dos casos , o bebê nem é “ressecado”.

Bebês ao sair da maternidade evacuam a cada mamada , mas após o primeiro mês de vida , as fezes podem vir somente a cada 3 ou 5 dias e tudo isso ser normal ! Sim, desde que a consistência seja pastosa , está tudo bem com o seu bebê e a fórmula não deve ser trocada .

Cólicas , será mesmo ?

É tanto remédio para cólica que tem muita gente botando a culpa no leite . Será ? Sabemos que muitos recém nascidos terão cólicas e apresentarão melhora com uso de remédios . Mas e quando o bebê ainda sofre ?

Se você já trocou duas vezes o tipo de fórmula , está na hora de parar . Provavelmente a causa da dor não é o leite . Esta criança deve ser examinada e ser avaliada outras possibilidades diagnósticas , como refluxo gastroesofágico ou alergia a proteína do leite de vaca .

Por que não devo trocar de leite ?

Os primeiro anos de vida do bebê são fundamentais para o seu desenvolvimento. Fazer trocas constantes de fórmulas lácteas pode levar à perda de peso , falta de ingestão de nutrientes , uso excessivo de remédios e acabar caindo na tentação de oferecer leite de vaca mesmo , o famoso ” Ninho”.

Lembre-se de que o leite de vaca não é o alimento ideal no primeiro ano de vida .

Fica a dica .

Síndrome da morte súbita : a morte do berço

A síndrome da morte súbita infantil, ou síndrome da morte súbita do lactente (também conhecida como “morte do berço”, não é uma doença específica.

Trata-se de um diagnóstico que os especialistas dão quando um bebê aparentemente saudável morre sem explicação. Quando nem os médicos nem a autópsia conseguem explicar a causa da morte, ela é classificada como morte súbita. A grande maioria dos casos atinge bebês com menos de 6 meses de idade.

É uma das principais causas de óbito de bebês com menos de 1 ano de vida, e geralmente ocorre durante o sono noturno . Trata-se de uma condição que assusta muitos pais e cujos mecanismos ainda são desconhecidos.

Como e por quê?

Há uma série de teorias para explicar a origem do problema, mas, até o momento, nenhuma encontrou comprovação científica.

Os especialistas acreditam que seja uma combinação entre uma predisposição do bebê (como anormalidades ou imaturidade nos sistemas cardíaco, respiratório ou da regulação do despertar) e a exposição a um ambiente desfavorável (como dormir de bruços ou ser agasalhado demais), num período específico do desenvolvimento.

O que posso fazer para evitar?

O importante é que os pais saibam que há formas de se prevenir da síndrome:

A posição ideal

Dormir em decúbito dorsal – com a barriga voltada para cima – é a posição mais indicada para os bebês de até um ano, recomendada pela Academia Americana de Pediatria (AAP) e pelo Ministério da Saúde brasileiro . Além de permitir que o bebê respire melhor, a posição diminui o risco de engasgo, já que permite girar a cabeça para o lado em caso de vômito.

Não coloque o bebê de lado, porque eles facilmente acabam de barriga para baixo.

O berço

Novas recomendações da Sociedade Brasileira de Pediatria foram lançadas no final do ano passado e incluem :

• O filho deve dormir até pelo menos o sexto mês de vida no quarto dos pais, mas em camas separadas. A cama compartilhada é contraindicada pelo risco de acidentes durante o sono.

O hábito aumenta os riscos de sufocamento, porque os pais se mexem e o bebê fica indefeso.

• Segura-bebês e outros dispositivos que seguram o corpo em determinada posição devem ser evitados. Produtos do tipo foram banidos das lojas dos Estados Unidos em 2017.

• A superfície onde o bebê dorme deve ser firme, coberta com um lençol de elástico e sem objetos soltos : sem pelúcias ,cobertores ou protetor de berço.

Protetores de berço não são aconselhados pelos especialistas. Acredita-se que eles não sirvam para prevenir acidentes. Eles podem, por outro lado, acabar causando sufocamento ou estrangulamento se a cabecinha do bebê ficar presa entre o protetor e o colchão, além de não deixar o ar circular livremente dentro do berço.

A temperatura

Estudos ligaram o excesso de agasalhos e o superaquecimento do bebê à morte súbita. Coloque a mão na barriga do bebê ou no pescoço dele para ver se ele está quentinho o suficiente.

• Não deixe o aquecedor ligado à noite inteira

• Usar roupas quentinhas no lugar de cobertas e lençóis, mas sem tocas ou outros acessórios que cubram a cabeça.

Bebês excessivamente agasalhados, que dormem em quartos muito aquecidos, correm perigo maior quando colocados com a face para baixo, porque a face é uma fonte importante de eliminação do calor nas crianças. Nesses casos, supõe-se que o estresse causado pelo aumento de temperatura leva à diminuição da frequência cardíaca e à inibição letal do centro respiratório.

Não use nenhum tipo de colar ou corrente no bebê

Qualquer corrente ou colar (como o colar de âmbar) no pescoço do bebê traz risco de sufocação durante o sono. O mesmo vale para cordões de chupetas, almofadas ou brinquedos ( pelúcias ) que possam estar próximos ao bebê.

Fica a dica .

Nunca use cotonete!

Como limpar o ouvido do seu filho? As pessoas têm uma inclinação para limparem os seus ouvidos porque acreditam que a cera seja uma indicação de sujeira. Mas na verdade, não é necessário limpar e não devemos nunca , utilizar o cotonete .

Esse hábito pode levar a otites de repetição e até surdez definitiva .

A cera protege o ouvido : qualquer partícula que entre no canal auditivo fica preso nela.Com o crescimento da pele do canal , a mastigação e os movimentos de quando falamos essa cera é mobilizada de dentro para fora , levando as partículas para fora do ouvido.

Por que limpamos ?

A sensação de colocar hastes flexíveis dentro do canal auditivo é gostosa. Isso acontece porque o ouvido é cheio de nervos com fibras sensitivas, que levam esse estímulo para o cérebro. É semelhante com o alívio gerado quando você está com coceira nas costas e consegue coçar.

Segunda a Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia e a de Pediatria , a limpeza deve ser feita com um pano ou algodão, somente da parte externa , sem introduzir nada no buraco da orelha.

Retirando a cera , o ouvido ficará mais suscetível a infecções . Ou seja , quem limpa muito , tem mais infecções .

O que pode acontecer

As hastes flexíveis — ou qualquer objeto que alcance o interior do ouvido , como grampos de cabelo — podem machucar . Os pesquisadores explicaram que os objetos têm potencial real de causar cortes nos canais auditivos, perfurar os tímpanos ou até deslocar os ossos auditivos. Como consequência, as pessoas podem ter perda de audição, tontura ou outros sintomas graves.

Além do risco de traumatismo , quando usamos o cotonete a cera é empurrada para dentro do canal auditivo, o que pode ocasionar uma obstrução, chamada de cerume impactado.

Esta rolha diminui a passagem do ar , reduzindo a audição e favorecendo o crescimento de bactérias. Algumas crianças podem reclamar de dor quando há muita cera impactada e pode ser necessário a aplicação de remédio para “quebrar” a cera ou até uma lavagem no ouvido para limpeza adequada .

Nunca faça nenhuma tentativa de retirar a cera : vela , grampos , lavagem com água e seringa . Você poderá perfurar o tímpano da criança. Deixe somente um especialista , com material adequado , manipular o conduto auditivo.

Fica a dica .

O que NÃO fazer quando a criança vomita

Vômito é o pesadelo de toda mãe , até desta mãe-pediatra aqui . A gente dá medicação e a criança joga tudo pra fora . Bate o desespero : será que vai desidratar? Será que preciso levar ao hospital ? Que remédio dar?

Independente da causa do vômito na criança, quando ela tem um episódio de vômito repentino sem outros sintomas associados, como febre, por exemplo, geralmente não é motivo para ir correndo para o pronto-socorro, pois o vômito poderá apenas ser consequência de situações passageiras, como por consumo de alimentos estragados uma leve virose, por exemplo.

Os passos para o tratamento

1. Não ofereça líquidos ou alimentos !

A criança está vomitando ? Não ofereça nada . Faça uma pausa e deixe- a em jejum por 1 hora e observe se há melhora . Oferecer leite , seio materno , suco só irá piorar , pois facilitam novos episódios de vômito .

2. Medique

Dê o remédio ( bromoprida ou ondasetrona ) . Evite usar dimenidrato , pois a sonolência irá atrapalhar na alimentação . Espere por 1 hora .

Deu o remédio e a criança cuspiu ou vomitou? Faça uma segunda tentativa se isso aconteceu até em 30 minutos . Se não der certo , não force . Aguarde por 1 hora .

3. Inicie com água

Nada de leite ou suco ! Ofereça um pouco ( meio copo ) de água e observe . A criança certamente irá querer tomar mais de um copo , mas você deve controlar o volume .

Após meia hora , ofereça um suco ou soro de rehidratação oral em doses fracionadas e aguarde mais 1 hora .

4. Evite o leite

Está aceitando bem ? Não houve vômito ? Ótimo ! Procure hidratar ou amamente e evite dar a mamadeira com leite de vaca .

É normal a criança não aceitar alimentos nas primeiras 24 horas . Se estiver ingerido líquidos e fizer xixi , está tudo indo bem .

5. Não dê miojo lamen por favor !

Coca cola sem gás , Gatorade , Miojo Lamen , achocolatado ou leite fermentado não são boas escolhas . Não saia oferecendo qualquer alimento para a criança comer .Procure oferecer refeições leves , com pouca gordura e com tempero suave . um tempo para o organismo se recuperar.

Arroz branco , purê , frutas , bolacha água e sal ou torradas são boas opções .

Quando me preocupar ?

vômitos com coloração avermelhada devem ser motivo para procurar atendimento médico . Geralmente ocorrem na presença de sangramentos . Ao contrário de que muitos pais pensam , o vômito esverdeado ( “cor de bílis ” como muitos chamam ) ou amarelados , não indicam gravidade.

• febre persistente associado a vômito deve ser examinado . Primeiro para realizar o controle da temperatura , que fica difícil , pois as medicações são por via oral . Segundo porque podem ser quadros iniciais de doenças mais graves .

• medicou e não deu certo? Não espere até o dia clarear! A criança pode ficar desidratada , principalmente as menores de 2 anos .

Sinais de desidratação : diminuição do volume do xixi ou ausência por mais de 6 horas , sonolência , boca seca .