Meu filho NÃO dorme !

A dificuldade para dormir é um problema que afeta entre 5% e 10% da população geral e pode atrapalhar, além do sono, a vida das pessoas, inclusive a das crianças, que também podem sofrer com esse mal.
Costuma ocorrer nos primeiros anos de vida e está relacionada principalmente a problemas comportamentais. Da mesma forma que a criança precisa aprender a comer com a colher ou usar o banheiro, ela precisa também aprender a dormir. E quanto mais cedo se ensina o bebê a adormecer por conta própria, menores serão as chances de surgirem problemas de sono.

A insônia pode ser o sinal de que algo está perturbando a criança. Por isso , antes de iniciar qualquer tratamento , devemos investigar as causas mais frequentes .

Principais causas de insônia infantil

No caso das crianças, a dificuldade para dormir pode estar relacionada com problemas físicos, como refluxo , cólicas ou hipertrofia de adenóides ; problemas que afetam o psicológico ou sociais, como a falta de rotina, a entrada da criança na escola, a chegada de um irmão ou ainda a separação dos pais .

Outras causas :

• Maus hábitos de sono – televisão ou tablet na hora de dormir , sem rotina ou ritual de sono , luzes acesas no quarto ;

• Cafeína – refrigerantes , chocolate ou chás ( são estimulantes ) e dificultam o sono ;

• Apneia obstrutiva do sono : relacionado com a hipertrofia de adenoide , favorece os ” despertares noturnos ” diminuindo a qualidade do sono ;

• Efeitos colaterais de medicamentos, incluindo estimulantes usados para tratar o TDAH, antidepressivos, corticoides e anticonvulsivantes

• Asma (tosse)

• Ansiedade

• Síndrome das pernas inquietas

• Distúrbios do desenvolvimento neurológico, tais como autismo, retardo mental e síndrome de Asperger.

Tratamentos para insônia

A insônia infantil pode ser classificada como inicial, quando a criança apresenta dificuldade para adormecer, ou intermediária, quando o sono da criança é interrompido e ela não consegue voltar a dormir.

Inicialmente devemos buscar excluir todas as possíveis causas orgânicas e psicólogicas . Medos e ansiedade podem estar relacionado com a insônia inicial . Já a hipertrofia de adenoide e tosse , com a forma intermediária . Cada caso deverá ser tratado individualmente , após análise rigorosa do comportamento de cada criança .

Primeiros passos :

• Reduza o tempo de televisão e tablets no período noturno ;

• Mantenha uma rotina de quando seu filho vai para a cama e acorda, incluindo nos finais de semana e feriados;

• Evite atividades estimulantes 30 a 60 minutos antes de dormir, como jogar jogos de vídeo, assistir TV, mensagens de texto ou falar ao telefone

• Realizar uma atividade física aeróbica , como natação ou futebol pelo menos 2 vezes na semana .

Medicações

O uso de florais de Bach não possui contraindicação e pode ser uma boa opção. Antialérgicos sedativos são as medicações mais utilizadas, mas o seu tempo de ação é curto . Já o uso da melatonina só está aprovado para crianças autistas .

Anemia não tratada vira leucemia?

A anemia é frequente na infância.Segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) , em países em desenvolvimento mais de 50% das crianças menores de 4 anos apresentam deficiência de ferro.

Mais comum entre crianças de 9 meses a 2 anos de idade, pode levar a sintomas como falta de apetite , palidez , sonolência excessiva .A causa mais comum é a anemia por falta de ferro .

A infância é uma época em que se faz a introdução da dieta da família .Muitas vezes essa fase de transição não é “bem aceita” pela criança, simplesmente porque é uma questão de aprendizado, e os pais, por inexperiência ou falta de orientação adequada, interpretam como a criança não gostando dos novos alimentos e deixam de insistir na oferta de alimentos saudáveis justamente numa fase da vida em que eles são tão essenciais.Oferecer alimentos saudáveis nem sempre é fácil.

Quais são os tipos de anemia?

Anemia ferropriva

Causada por uma concentração baixa de ferro nas hemoglobinas é a anemia mais comum na infância . Geralmente, a condição é desencadeada pela baixa ingesta de alimentos que possuem ferro como ovos, carne vermelha ou vegetais de coloração verde escura como o espinafre, além de leguminosas como o feijão e a soja.

Muitas crianças apresentam deficiência de ferro mesmo com uma boa alimentação. O que pode estar ocorrendo é a ingestão de leite e derivados após as refeições : um almoço rico em ferro será aniquilado se logo após a criança for alimentada com leite , materno ou não . O leite bloqueia a absorção de ferro!

O tratamento indicado para esse tipo de anemia é a reposição do ferro sob orientação médica.

Anemia megaloblástica

Este tipo da doença pode ser acarretada pela deficiência de vitamina B12 ou de ácido fólico, devido a carência da ingestão de alimentos ricos nessas duas substâncias como carnes, ovos, leite e seus derivados, leguminosas como lentilha e feijão-preto, além de vegetais de cor verde escuro, como o espinafre. Comum em dietas restritivas e vegetarianas.

As formas mais comuns de tratamento são, além da reeducação nutricional, a administração de medicamentos para repor os níveis de ácido fólico e da vitamina B12.

Anemia falciforme

Assim como as anemias hemolíticas, a falciforme também é hereditária. Os exames capazes de identificar a condição são o teste do pezinho e a  eletroforese de hemoglobina.

Traço falciforme não é doença! Trata-se somente de uma condição genética que irá determinar se a próxima geração terá ou não chance de filhos com a doença. Exemplo : pessoa com traço falciforme casada com outra pessoa também traço falciforme tem 25% de chance de filho com anemia falciforme.

Mas anemia vira leucemia?

Não. Anemia não vira leucemia . Leucemia é um câncer que afeta a produção de várias células no sangue , inclusive das células vermelhas .O que acontece é que um dos primeiros sinais da leucemia é a anemia , mas nesta doença , todas as células sanguíneas estarão afetadas e ao exame , a criança apresentará mais sinais .

Quais alimentos devo dar ou não para evitar ou tratar de anemia?

A anemia pode ser evitada desde o nascimento. O aleitamento materno exclusivo até os seis meses supre a necessidade de ferro do bebê, porque o mineral presente no leite da mãe é bem aproveitado pelo organismo. Se você não puder amamentar, peça ao pediatra que receite uma fórmula – todas têm um aporte extra de ferro. O erro é dar à criança leite de vaca integral nos primeiros anos, porque ele é pobre no mineral.

Depois da introdução de alimentos sólidos, ofereça ao seu filho carne vermelha, caldo de feijão e verduras escuras, como brócolis e rúcula. Essas são ótimas fontes de ferro! Uma dica é combinar tudo com vitamina C, que facilita a absorção do nutriente pelo organismo. Pode ser uma fruta ou um suco de morango, laranja, mexerica . Mas sirva na hora, porque a vitamina se perde rapidamente em contato com o oxigênio e a temperatura ambiente.

O leite de vaca consumido em excesso não dá anemia . O que ocorre nestes casos é que o leite bloqueia a absorção de ferro se ingerido logo após as refeições , como almoço e jantar. Uma dieta rica em leite também geralmente tem poucos nutrientes : uma criança que mama muito , come pouco e com baixa qualidade .

Fica a dica.

Lisador é contraindicado no pós parto

Durante a gravidez, tomamos todo o cuidado para não prejudicar o bebê e consultamos o obstetra sobre qual remédio tomar cada vez que nos sentimos mal. Não se esqueça de que , após o nascimento, a recomendação é a mesma. Você continua passando para a criança, por meio da amamentação, algumas substâncias que ingere.

O perigo do lisador na amamentação

Um dos analgésicos mais vendidos no Brasil contém dipirona, prometazina e adifenina. Prescrito com frequências para o pós- parto no controle da dor , este tipo de medicação pode reduzir a produção de leite e propiciar sérios efeitos colaterais ao recém nascido .

Prometazina

Excretado pelo leite materno , pode causar sonolência na mãe e principalmente no recém-nascido, o que pode impactar no desenvolvimento da criança. A prometazina é um anti-histamínico ( antialérgico ) com efeito sedativo – o bebê sonolento mama menos e pode evoluir com problemas de ganho de peso .

Além disso , a prometazina tem efeito anticolinérgico que inibe a secreção do leite.

Dipirona

Recentemente saiu uma nova classificação sobre a dipirona e o seu uso durante a lactação, no site e-lactancia.org, reconhecido pela Academia Americana de Amamentação .O risco passou de provável baixo risco, para ALTO RISCO na amamentação.

Por quê?

Estudos verificaram aumento do risco de leucemia linfocítica aguda em crianças cujas mães tomaram dipirona durante a gravidez e amamentação.

Por isso , até que existam mais dados recomenda-se um uso pontual e limitado, sendo preferíveis alternativas mais seguras (como o paracetamol ou ibuprofeno ) , especialmente durante o período neonatal e em caso de prematuridade.

A Organização Mundial da Saúde considera este medicamento compatível com a amamentação se dado em doses únicas, alertando para evitar as prescrições de horário, além de monitoramento do bebê quanto à ocorrência de sonolência excessiva e outros efeitos adversos.

Quais remédios são seguros ?

O mais importante para tomar a decisão de tomar um medicamento enquanto você estiver amamentando, segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, é ter bom senso e o aval do médico.

Antibióticos podem ser usados , como a cefalexina , mas somente após prescrição médica. Analgésicos , xaropes para tosse , anti-inflamatório, tudo deve ser analisado antes , inclusive os fitoterápicos. Nem todos os compostos chamados de “naturais” são seguros para os bebês, por isso, antes de aceitar a dica daquela vizinha ou o conselho de uma tia que tomou um remédio à base de ervas incrível, consulte um médico .

A Sociedade Brasileira de Pediatria elaborou um manual sobre o assunto , que contém todas as medicações e substâncias que podem ou não ser utilizadas na amamentação , que você pode ler no link : http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/amamentacao_uso_medicamentos_2ed.pdf

No manual a dipirona ainda consta como compatível com o aleitamento , pois o estudo descrito no começo deste post foi publicado neste mês , em abril de 2019 e com certeza terá uma nova recomendação .

8 alimentos perigosos para crianças

Todos os anos morrem ou ficam com sequelas graves crianças devido ao engasgo. Brinquedos pequenos e alguns alimentos são as principais causas em crianças pequenas. Segundo a Academia Americana de Pediatria, a comida é responsável por metade dos incidentes de asfixia em crianças pequenas.

De acordo com o Datasus, no Brasil, em 2014, foram registrados 108 casos de inalação ou ingestão de alimentos, sendo que 74% deles aconteceram com menores de 4 anos. Destes, metade aconteceu com crianças menores de 1 ano. Isso porque até os 4 anos as crianças ainda não têm o controle da mastigação 100% desenvolvido.

Alimentos representam o maior risco de asfixia para crianças

Doces : As campeãs de engasgos são as balas duras e pirulitos , que, sozinhas, representam quase 25% das ocorrências. Um pequeno pedaço pode ficar alojado na garganta de uma criança e impedir a passagem do ar .

Lembra da bala Soft? Campeã de engasgos !

Espinho de peixe : De acordo com especialistas, além do incômodo de ter algo pontiagudo e sólido atravessado na garganta, os tecidos da garganta podem acabar inflamando. O problema é que um inchaço nessa região, dependendo da intensidade, pode dificultar a respiração e causa asfixia, especialmente no caso de crianças.

Pipoca : Não deve ser dada às crianças menores de 4 anos de idade .São facilmente aspiradas e podem ficar presas na garganta dos mais pequenos.

Uvas e tomates : Alimentos muito lisos e arredondados devem sempre ser cortados ao meio ou em mais partes.

Pedaços de carne e queijo: Os pedaços de queijo e carne são difíceis de mastigar e podem “entalar” na garganta . Por isso sempre use carne macia , picada ou moída .

Manteiga de amendoim : A manteiga de amendoim é um dos alimentos preferidos das crianças americanas, mas são cada vez mais um petisco em todo o mundo. Pode parecer estranho mas este é um dos alimentos mais perigosos para crianças.

Salsicha : o famoso cachorro-quente das festinhas infantis deve ser oferecido em pedaços aos menores de 4 anos . A salsicha deve ser cortada em fatias .

Apesar de não ser um alimento duro, tem uma textura mole que pode ficar presa no céu-da-boca e garganta.

Nozes , amêndoas e amendoim : pequenos e duros , estão presentes em barrinhas de cereais , chocolates e até pães de forma . Só devem ser oferecidos bem triturados .

O que fazer ?

Os sinais mais comuns de engasgamento incluem: tosse ou respiração ruidosa; lábios ou pele azuladas; esforço grande para respirar e eventual perda de consciência. A criança pode também emitir ruídos atípicos ou abrir a boca sem emitir nenhum som, podendo não conseguir chorar ou tossir.

Se a criança ou o bebê estiverem engasgados, porém conseguirem tossir, NÃO MEXA NELES . Retire com a mão apenas objetos ou secreção visíveis. Mantenha a criança em posição confortável para ela. A tosse é, neste caso, a melhor chance de expelir o objeto que causou o engasgo; também significa que há respiração.
Se você interferir, pode causar um deslocamento do objeto e piorar a situação com uma obstrução completa e conseqüente, impedimento a respiração. Portanto, apenas incentive-a a tossir.

Se houver uma obstrução completa, haverá impedimento à entrada e saída de ar, o que impossibilita a criança ou o bebê de emitirem qualquer som vocal e tosse. Neste caso , há duas técnicas para desengasgar uma criança: uma específica para bebês até 1 ano e outra para crianças a partir dessa idade.

A primeira consiste em colocar o bebê de bruços, deitado sobre seu antebraço. O antebraço pode estar apoiado em sua perna ou outra superfície firme. A cabeça do bebê deve estar mais baixa que o corpo. Com a mesma mão, use os dedos médio e indicador para manter a boca dele aberta enquanto com a outra, você dá cinco tapas em suas costas, entre os ombros.

Em seguida, vire o bebê para você, deitado no mesmo apoio, e faça cinco compressões com os dedos médio e indicador no meio do peito, entre os mamilos. Afunde os dedos de dois a três dedos de altura, o que corresponde a cerca de 4 cm. Se ele chorou ou tossiu, significa que desengasgou. Caso contrário, repita o primeiro procedimento.

Na segunda , na criança maior que 1 ano, posicione – se atrás da criança, avisando-a da ajuda e iniciar compressões na boca do estômago . A manobra de Heimlich consiste em apoiar a mão fechada em punho, uma sobre a outra, entre o umbigo e a extremidade inferior do osso do peito da criança e realizar compressões , em trancos, para dentro e para cima, até que a criança consiga expelir o objeto .

Por que não devemos dormir de cabelo molhado ?

Quem nunca ouviu a sua mãe aos berros alertar sobre os riscos de um cabelo molhado na hora de dormir ? Mas será que realmente faz ?

Favorece o surgimento de caspa

Dormir com o cabelo molhado não prejudica apenas a força dos fios, mas também pode levar a uma série de problemas ao couro cabeludo, incluindo caspa, dermatite e infecções fúngicas.

Os cabelos molhados criam um ambiente ideal para a proliferação de fungos. Além disso, pode ocorrer alteração no pH da região, provocando infecções como a dermatite seborreica, cujos sintomas vão desde a caspa até feridas graves no couro cabelo e quedas dos fios.

Piora os quadros de alergia

Quando lavamos o cabelo e em seguida deitamos, o travesseiro fica úmido e os cabelos levam mais tempo para secar. A umidade no travesseiro favorece a proliferação de ácaros e fungos , propiciando o surgimento de crises alérgicas , com tosse e congestão nasal persistente e ao deitar .

Aumenta o números de gripes e resfriados

A umidade deixa o travesseio mais frio e reduz a temperatura corporal da criança no período da noite . Funciona como uma janela aberta em uma pessoa descoberta , que pode ser mais grave quando ligamos o ventilador ou o ar condicionado.

Mas ao contrário do que as mães pensam , não é o frio que produz a gripe ou resfriado , mas a queda da imunidade nestes casos . Um choque térmico ou expor o corpo a baixa temperatura ( friagem ) diminui a nossa resistência e favorece a infecção por vírus e bactérias .

Quando a temperatura cai, geralmente o ar fica mais seco, o que afeta as mucosas do aparelho respiratório. E esse ressecamento compromete a produção de secreções com anticorpos para a defesa do organismo.

Dicas

• touca : se o seu filho voltou da festinha e precisa de um bom banho , use uma touca de plástico e lave somente o corpo ;

• secador : meninas podem fazer uso de secador nos dias mais frios e úmidos . Mas não faça disso um hábito !

• cabelo solto após o banho : não prenda o cabelinho – deixá-lo solto auxilia na secagem do couro cabeludo e dos fios .

Vamos conversar sobre a moleira do bebê ?

A moleira do bebê, também chamada de fontanela, é uma membrana fibrosa que ocupa os espaços entre os ossos do crânio. Esta membrana fica na frente e atrás da cabeça, para facilitar a passagem do bebê pelo canal vaginal na hora do parto.

Ela é mole e flexível, e extremamente necessária, pois o cérebro do bebê está em crescente desenvolvimento e está aumentando de tamanho desde o momento do nascimento até por volta dos 2 anos de idade, que é onde o volume do cérebro aumenta consideravelmente, geralmente em torno de 10 cm só no primeiro ano de vida.

Exatamente por isso que as medidas da cabeça ( perímetro cefálico ) são tão necessárias durante a consulta com o pediatra !

Se não fosse esse espaçamento o bebê poderia ter uma má formação neurológica : o cérebro do bebê estaria crescendo e não teria espaço para expandir.

Quando o bebê está deitado, as moleiras são normalmente planas, ou então levemente deprimidas quando ele está em posição vertical. Tais áreas podem pulsar com movimentos sutis de elevação, o que não deve causar preocupação, pois são resultado da pressão arterial do cérebro.

Quando ela fecha?

A moleira posterior se fecha no segundo mês de vida, e a anterior se fecha por volta dos 18 meses. Se esta fechar antes de um ano ou este processo demorar muito, é importante consultar um pediatra.

Se não fechar …

… acompanhado de aumento do perímetro cefálico fora do padrão , pode indicar hidrocefalia . A Hidrocefalia é uma doença no qual ocorre o aumento da quantidade de líquido cefalorraquidiano no cérebro, que em excesso aumenta a pressão dentro do crânio.O bebê que nasce com Hidrocefalia tem uma moleira que demora muito mais do que normal de tempo para fechar, e leva ao crescimento acelerado da cabeça e dificuldades no desenvolvimento neurocognitivo.

E se fechar antes …

… ocorre a cranioestenose . A cranioestenose é o fechamento precoce das moleiras . Essa condição impede o crescimento normal do cérebro, podendo causar deformidades na cabeça do bebê e até mesmo lesões neurológicas gravíssimas.

Ocorre um caso para cada 2.000 crianças nascidas, ela é mais comum em meninos. O tratamento para essa condição é cirúrgico, aonde criam-se espaços nos ossos do crânio para o desenvolvimento do cérebro do bebê.

Portanto quanto mais cedo a descoberta, melhores resultados terão as intervenções que serão realizadas, para minimizar as complicações da doença.

E se ficar funda …

… não significam nada se a criança estiver ativa, porém, se ela estiver abatida , pode significar que o bebê está desidratado. É um dos sinais , mas não o único . Um bebê ativo com boa diurese e evacuações normais , apesar da moleira funda , não é uma criança desidratada .

Meu filho parou de comer. E agora?

Aquele bebezão que comia de tudo agora com 2 aninhos não quer mais saber de comer direito ? Rejeita tudo e você já apelou para a vitamina e até o Biotônico mas nada parece dar certo?

Fique tranquila. É só mais uma fase!

Entre 1 e 5 anos de idade muitas crianças apresentam um ganho de peso de somente 2 a 3 quilos por ano mesmo tendo ganho cerca de 7 a 8 quilos no primeiro ano de vida. E por isso parece que seu filho nunca sai dos “13kg” .

Isso ocorrer porque, uma vez que elas não crescem tão rápido nesta fase , a necessidade de calorias é menor e por isso aparentam ter uma diminuição do apetite. Sim, aparentam, porque na verdade , elas estão comendo o suficiente.

E não adianta apelar para o remédio de apetite ou vitamina : a quantidade que uma criança decide comer é determinada pelo centro de apetite no cérebro portanto, comem a quantidade necessária para o crescimento e gastos.

Confie no centro do apetite de seu filho. A razão mais comum para algumas crianças aparentarem não sentir fome é que a oferta de snacks , mamadeira e guloseimas é tanta que nunca sentem realmente fome. Por isso é tão importante mater as refeições em horários definidos, a cada 3 hs .

Ofereça a seu filho duas guloseimas nutritivas por dia, no máximo, e somente se ele pedir. Se seu filho sente sede no intervalo das refeições dê água para aliviar a sede e não suco ou mamadeira . Limite a ingestão de sucos para no máximo 200 ml por dia e deixe seu filho uma ou duas refeições sem comer, caso deseje, então observe o retorno do apetite. Perder uma refeição nãoéo fim do mundo.

VAMOS PARA MAIS DICAS ( E QUE FUNCIONAM MUITO MAIS DO QUE QUALQUER REMÉDIO)

• Não brigue ou ameace . O tempo das refeições deve ser agradável e não uma guerra.

• Deixe comer com a mão e fazer sujeira a vontade: comece a oferecer alimentos na mão de seu filho aos 6 ou 8 meses de idade, tais como frutas, biscoitos, legumes que permitem que se alimente, mesmo antes de ser capaz de usar uma colher. O erro mais comum é pegar a colher ou garfo da criança e tentar colocar comida na boca dela e as vezes sob ameaça.

Limite a ingestão de leite a cerca de 500 ml por dia : leite é tão calórico quanto a maioria dos alimentos sólidos. Beber leite demais pode suprimir o apetite, principalmente se oferecido próximo ao horário do almoço e jantar

Sirva pequenas porções , bem menores do que aquelas que o seu filho irá comer : o apetite de seu filho é suprimido se for servido mais do que ele é capaz de comer ( estranho não é mesmo ?). Se servir a seu filho uma pequena quantidade de alimento em um prato grande é mais provável que ele termine de comer e tenha um sentimento de cumprimento do dever. Se quiser mais comida, espere que peça.

Torne o horário das refeições agradável : atraia seu filho para conversas durante a refeição. Evite a transformação da hora das refeições em momentos de discussão ou em uma sessão de tablets e celulares.

Não prolongue o horário da refeição : bastam 40 minutos de espera. Não force a se sentar à mesa após toda a família já ter se alimentado.

Por que NÃO devemos dar Miojo Lamen as crianças ?

O sal na dieta aliado a baixa prática de atividade física , virou uma verdadeira “bomba-relógio” para a saúde das crianças .Na prática do consultório eu tenho presenciado um número cada vez maior de crianças e adolescentes com pressão alta . E isso realmente é preocupante !De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia , cerca de 10% das crianças e adolescentes têm pressão alta.

Você sabia que até o sorvete de chocolate tem sal? Sim! Não é preciso ter um gosto salgado para ser composto com esse ingrediente, introduzido na culinária pelo seu potencial de conservação . Esse é o chamado sódio oculto.

Meu filho adora Miojo, faz mal para saúde doutora?

Em muitos lares , o macarrão instantâneo ( Miojo Lamen) faz parte das refeições das crianças . Mas o que muito pais não sabem , é que ele pode sim, fazer muito mal à saúde .

Exames feitos com 10 marcas de “miojos” brasileiras mostrou que a maioria delas possuía mais sódio nos pacotinhos de tempero do que o necessário para um adulto no dia inteiro.

Segundo a Organização Mundial da Saúde a ingestão máxima de sal por dia deve ser de apenas 4 gramas por dia, o que equivale a uma colher rasa de café e cada embalagem de macarrão instantâneo traz pelo menos o dobro deste valor.

Ah , doutora ! Mas eu não uso o tempero , só o macarrão …

Embora a maior parte do sódio esteja no tempero pronto o próprio macarrão não é uma opção saudável e por isso a refeição apesar de rápida está cheia de aditivos, corantes artificiais e toxinas, como glutamato monossódico que prejudicam a saúde, à longo prazo.

O miojo é um alimento pobre em fibras e proteínas . Contém glutamato ( para realçar o sabor ) que está associado a alguns tipos de câncer e gordura hidrogenada , que pode levar a deposição de gordura nos vasos sanguíneos , elevando a incidência de infarto e derrames .

Opções rápidas e saudáveis podem ser realizadas com o macarrão comum , a base de farinha de trigo , com legumes .

Sintomas de excesso de sódio

O sal colabora para a retenção de líquidos no corpo e promove aumento da pressão . São doenças “silenciosas” – com pouco sintoma no início – o que prejudica o diagnóstico e o tratamento.

Para identificar o que acontece se comer muito sal, basta prestar atenção aos sinais do corpo: inchaço nas pernas, mãos e tornozelos, falta de ar, dores ao caminhar, pressão alta e retenção urinária.

Seja o exemplo

O conselho é dar preferência a alimentos não industrializados, que possuem uma menor número quantidade de sódio .O ideal é que, no preparo da refeição, não se adicione pouco sal.Se a criança é acostumada a refeições salgadas, seu paladar vai se adaptar a esse padrão.

A orientação para os pais é retardar e reduzir a oferta dos industrializados à meninada, tirar o saleiro da mesa e servir de modelo. São medidas que contribuem para criar um garoto que não vai depender tanto das pitadas de sódio para sentir prazer à mesa .

Incentivar um estilo de vida saudável e funcional entre todos os membros da família faz com que a criança perceba, por meio do exemplo, a importância de se preocupar com a própria saúde. Monitorar o ganho de peso, manter-se sempre dentro do peso ideal, praticar atividades físicas, consumir alimentos sem excesso de sal e gordura são alguns hábitos que garantem uma vida mais saudável, tanto para crianças quanto para adultos.

5 super dicas

1 .Evite comer fora com frequência, porque é impossível saber a quantidade de sal contida nos alimentos preparados nos restaurantes.

2- Não libere refrigerantes e outras bebidas doces diariamente. Restrinja o consumo a ocasiões especiais.

3- Toda criança adora salgadinho. Para não privá-las deste prazer, compre um pacote de vez em quando e divida-o para a semana toda. Assim, seu filho mata a vontade sem prejudicar a saúde.

4- Use a criatividade na hora de temperar os alimentos. Em vez do sal, invista em ervas e outros condimentos naturais, como o limão, por exemplo.

5- Se for fazer um lanche rápido para as crianças, evite os embutidos, como salsicha, presunto e hambúrguer. Prefira sempre o pão integral, que contém menos sódio, e aproveite para incluir alimentos que tenham valor nutricional, como alface, tomate, ovo cozido e algum queijo magro.

Fica a dica .

Erros ao usar o ventilador

As altas temperaturas registradas nos últimos dias estão incomodando até mesmo quem gosta de calor.Tomar bastante água, usar uma roupa mais leve, curtir uma praia ou um banho de piscina ajudam a refrescar, mas para crianças os cuidados devem ser redobrados nesta época do ano.

E aí surge a dúvida , ventilador pode fazer mal a saúde? Pode sim , principalmente se usado incorretamente . Então eu listei alguns dos erros mais comuns que os pais cometem ao usar o aparelho :

1. Criança não sente mais calor

Cuidado com quem regula o ventilador. Com a pandemia as crianças ficaram em casa e não estão submetidas aquele baita calorão que está do lado de fora . Então, ao chegar em casa , não vá ligando e deixando tudo no máximo, pois o choque de temperatura faz mal a saúde de todos , até dos adultos.

Atenção aos bebezinhos! O corpo do recém-nascido resfria e esquenta muito facilmente , porque o centro de regulação de temperatura corporal ainda não está maduro. Assim eles estão mais expostos as variações de temperatura e podem evoluir com doenças respiratórias mais facilmente.

2. Limpeza das pás

O ventilador precisa ser higienizado, prestando atenção especial às hélices, onde a poeira se deposita. Afinal ninguém deseja receber um lufada de vento cheio de poeira e ácaros na cara não é mesmo ?

Atenção redobrada aos ventiladores de teto

3. Limpeza do ambiente

O ventilador é colocar o ar em movimento, criando uma corrente que refresca o ambiente. Mas imagine o que acontece quando se liga o aparelho em uma sala cheia de poeira, com mofos nas paredes e sem incidência de sol. Exato: todas as partículas alergênicas da sujeira, fungos e bactérias ficam circulando no ambiente, o que pode ser seriamente prejudicial a crianças alérgicas.

4. Nunca direto sobre a criança!

Lembre-se de nunca deixar que a corrente de ar incida diretamente na criança, o que pode aumentar o ressecamento das mucosas e levar a gripes e resfriados.

Ventiladores de teto devem sempre ser utilizados no modo exaustor, no qual o ar é direcionado para cima. Já os aparelhos de chão ficam posicionados de frente para a parede: assim, o ar bate e volta, protegendo a criança da corrente de ar .

Nunca deixe seu filho molhado em frente a corrente de ar do ventilador !

5. Não esqueça do umidificador

Um dos efeitos facilmente percebidos ao dormir com o ventilador ligado é a sensação de boca seca e garganta arranhando. Isso ocorre porque o ventilador torna o ar muito seco e, consequentemente, resseca as vias respiratórias ( e você trocou o ar condicionado pelo ventilador por conta da umidade , não é 🤔).

Ventilador também deixa o ar mais seco

Essa sensação ruim pode não só atrapalhar o sono, como provocar irritação na garganta e tosse. Para minimizar o problema, é recomendado utilizar um umidificador de ar ou colocar uma bacia com água no quarto. Além disso, é importante deixar as portas e janelas abertas, mesmo que seja uma fresta, para circular o ar e arejar o ambiente.

Fica a dica.

Já vacinou seus filhos contra o câncer ?

Quantas pessoas não esperam ansiosamente por uma vacina contra o câncer não é mesmo ? Mas o que muitos pais não sabem é que ela já existe e está disponível , gratuitamente , pelo Sistema Único de Saúde.

A vacina contra o HPV é administrada no Brasil há 4 anos e protege meninos e meninas contra vários tipos de câncer ( útero ,pênis, ânus e boca ) . Vacina polêmica , pois muitos pais se recusam a administrá-la . Vamos saber mais antes de recusar algo tão importante ?

Os Papilomavírus Humanos (HPV) são vírus capazes de induzir lesões de pele ou mucosa, as quais geralmente regridem espontaneamente.Aproximadamente 20 milhões de pessoas no mundo são infectadas pelo HPV.

O HPV acomete homens e mulheres e os tipos oncogênicos (que causam câncer) estão presentes em cerca de 99,7% dos casos de câncer do colo do útero; 90% dos casos de câncer de ânus; 64% dos casos de câncer de boca; e 40% dos casos de câncer de pênis.

Estima-se que 80% da população sexualmente ativa terá pelo menos um episódio de infecção pelo HPV na vida.

Felizmente, a maioria das infecções é transitória e evolui para a cura, com eliminação completa do vírus. No entanto, grande parte das infecções são subclínicas, não causam qualquer sintomatologia, mas, em alguns casos, podem progredir para o câncer, se não sejam tratadas precocemente.

Como se proteger do HPV?

Vacinação – evita a infecção (pelos tipos contidos na vacina e contra os quais ela protege) e consequentemente a evolução de lesões. Importante lembrar que as vacinas protegem de parte dos tipos de HPVs.

Preservativo – diminui a possibilidade de transmissão na relação sexual, mas não evita totalmente.

Papanicolau – com o exame ginecológico periódico (Papanicolaou) rastreia-se as lesões celulares do colo do útero causadas pela infecção pelo HPV. É, portanto, uma prevenção secundária, isto é, não previne a infecção mas detecta a lesão e permite prevenir o desenvolvimento de câncer.

Por que vacinar antes do início da vida sexual?

Como acontece com outras vacinas, jovens com menos de 15 anos respondem melhor , com um efeito mais duradouro , à vacinação.

Para que a vacinação seja mais efetiva, o ideal é que ocorra bem antes de contato com o HPV, ou seja, os pré-adolescentes e adolescentes, que por esse motivo são os alvos principais das campanhas de vacinação.

A Sociedade Brasileira de Pediatria e a Sociedade Brasileira de Imunizações recomendam que a vacina seja administrada o mais precocemente possível, para meninas e meninos a partir de 9 anos de idade.

Esquema vacinal

A vacina está disponível para a população do sexo feminino de nove a 14 anos de idade (14 anos, 11 meses e 29 dias) e para a população do sexo masculino de 11 a 14 anos de idade (14 anos, 11 meses e 29 dias), com esquema vacinal de 2 (duas) doses (0 e 6 meses).

Fica a dica .