Qual o melhor termômetro?

Não existe coisa pior na vida que filho doente, não é? E quando vem a tal da febre , todas as mães ficam desesperadas !

Devemos ter em mente que a febre não é uma doença, e sim um sintoma de que algo está acontecendo no organismo. Trata-se de um mecanismo fisiológico que tem o objetivo de combater uma infecção . Isso porque alguns agentes infecciosos, como vírus e bactérias, não sobrevivem a partir de 37º C.

Criança com temperatura maior do que 37,8 graus deve ser medicada com antitérmico e a mãe deve estar atenta a frequência ( intervalos ) . Para isto , temos vários tipos de termômetros , mas qual escolher ?

Tipos de termômetro

mercúrio : estão com agenda proibida desde 1 de janeiro de 2019. São precisos , mas em desuso.

digitais : o tradicional , com medida na axila é o mais usado atualmente . Demora cerca de 2 minutos para atingir o aviso sonoro e dar a temperatura da criança .

O termômetro de chupeta é preciso , mas a criança deve mantê-lo na boca por até 1 minuto . Muito utilizado para os menores de 1 ano . Pouco prático para quem tem mais filhos .

infravermelho : rápido , oferece o resultado instantaneamente. Apresenta – se na forma de termômetro de ouvido e de testa .

O termômetro infravermelho de testa é o meu modelo preferido . Existem muitas marcas no mercado e atualmente eles são bem precisos . Você pode fazer o controle da febre do seu bebê em segundos e ele serve até para medida da temperatura do ambiente ( controle do ar condicionado por exemplo ) e até da temperatura da água e comidinhas . Acho mais higiênico , pois não há necessidade de encostar na pele , por isso o utilizo até no consultório .

E o adesivo termômetro ?

São uns adesivos em forma de bichinhos que também colamos na testa da criança para ver se eles estão com febre. Dentro de cada bolinha preta tem um número marcando uma temperatura diferente. Dependendo da temperatura da criança a bolinha vai acendendo indicando a temperatura, o adesivo pode ficar colado na criança por até 48 horas. Segundo o fabricante é indicado para crianças acima de 12 meses.

Ele não é muito preciso , mas basta para você saber rapidamente se a criança tem ou não febre . Achei muito útil para o período noturno , pois o adesivo fica colado e indica se a temperatura está normal ( N) ou se há febre e o grau.

O que fazer na febre

Quando a criança está com febre , além de utilizar um antitérmico , pode ser necessário algumas medidas para reduzir a temperatura corporal :

– Retirar o excesso de roupas do bebê;

– Oferecer líquidos para o bebê, que pode ser leite ou água;

– Dar um banho no bebê com água fria-morna ;

-Colocar toalhas molhadas em água fria na testa; nuca; axilas e virilha.

Já usou o adesivo térmico ?

É um adesivo com objetivo de aliviar a febre, baixando a temperatura e melhorando o mal estar. Ele não possui nenhum tipo de medicamento, funciona como uma compressa que as mamães costumavam fazer para ajudar a baixar a nossa temperatura quando éramos pequenos. Ele pode ficar até 8 horas colado na testa da criança. Vale lembrar que esse adesivo é para ajudar, mas não substituí o uso do remédio.

Mas atenção aos alérgicos

Crianças têm mais chance de fazer reações alérgicas a esparadrapos e adesivos , podendo ocorrer irritações e muita coceira no local . Se isso ocorrer , lave a região com água e sabonete em abundância . Se não houver melhora em 24 hs , utilize uma pomada antialérgica ou a base de corticoide .

Sociedade de Pediatria : slime caseiro pode levar a problemas de saúde

Quem tem crianças em casa certamente deve conhecer a febre que vem fazendo a cabeça dos jovens e consiste em fazer slime. Embora ela possar ser comprada pronta, as crianças se divertem fabricando-a em casa por meio da junção produtos químicos, o que pode ser perigoso.

O slime está ligado a diversos casos de reações cutâneas, como a queimadura. Inclusive, a Agência Francesa de Segurança Sanitária informou em comunicado que há “vários casos de reações cutâneas associadas ao slime”.

Muitos produtos tóxicos na receita

A receita de slime possui muitas versões na internet .Pode incluir diversos produtos químicos , como bicarbonato de sódio, água boricada, espuma de barbear, cola, detergente e corantes.O divertido é justamente personalizar a massinha , com corantes e glitter.

Independentemente da fórmula, dois ingredientes se repetem: cola branca e água boricada. Algumas levam ainda bórax, composto químico usado como inseticida.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia , o primeiro alerta é referente ao risco de inalação ou ingestão desses produtos, que são muito tóxicos, em especial o bórax .

Até mesmo o contato exacerbado com produtos aparentemente comuns, como detergentes e espumas de barbear, pode irritar a pele, mucosa e os olhos.

A preparação do slime caseiro não é realmente segura.O industrializado é capaz de causar irritações, mas em menor escala, pois as concentrações são fixas e proporcionais .

A Sociedade Brasileira de Pediatria contra indica o uso por crianças , pois pode ter efeitos imprevisíveis, de acordo com toxicologistas.

O que fazer em caso de reação?

Caso a criança desenvolva reações possivelmente ligadas ao slime, é indicado lavar a região afetada com água corrente e procurar um dermatologista ou pediatra.Não utilize pomadas ou cremes , pois poderá piorar a lesão.

Autismo seria tratável e curável?

Essa controvérsia começou durante a conferência Autism One, após palestra dada por Kerri Rivera , uma homeopata americana que afirma ter a cura para o autismo.

O protocolo de tratamento de Rivera inclui dieta livre de glúten e caseína, controle de patógenos com o CD, detox de metais pesados ( com a aplicação MMS) , oxigenação e suplementação nutricional. Mas funciona?

O que é MMS?

Conhecido em fóruns, redes sociais e em vídeos na internet como MMS (sigla em inglês para solução mineral milagrosa), teria a capacidade de promover uma “desintoxicação de bactérias não identificáveis em exames” e metais pesados do organismo, que seriam os responsáveis por causar os sintomas do autismo.

Na verdade trata-se de uma composição de substâncias que tem como produto final o dióxido de cloro . Vendido na forma de kits em sites da internet, o dióxido é um poderoso alvejante altamente corrosivo.

No Brasil, as famílias que tiveram acesso ao protocolo de Kerri no exterior já formam um grupo numeroso, assim como médicos que concordam com seus princípios e acompanham com interesse as pesquisas.

O dióxido é altamente perigoso , e pode levar a irritação e lesão de pele , desidratação, náuseas, enjoos e prostração. No entanto , entusiastas desta “terapia” afirmam que esses sinais de intoxicação, são, na verdade, indícios de que o tratamento está funcionando.

Os defensores da MMS divulgam fotos de “vermes” expelidos após o uso do enema como comprovação de que o tratamento funciona. Na verdade , os supostos “vermes” são fragmentos de mucosa intestinal liberados após os sucessivos enemas (injeção de líquido pela via retal).

Funciona ?

Desde junho do ano passado a fabricação, distribuição e comercialização do MMS para cura do autismo (ou outras indicações para a saúde) é proibido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que não reconhece a fórmula para fins terapêuticos.

O dióxido de cloro, comercializado com a sigla MMS, não tem aprovação como medicamento em nenhum lugar do mundo. A sua ingestão traz riscos imediatos e a longo prazo para os pacientes, principalmente em crianças.

Por onde essa substância química passa há uma destruição de células e tecidos, matando ainda milhares de bactérias, inclusive as boas, que têm papel importante no funcionamento do organismo. O MMS pode causar ainda insuficiência renal, gastrites e úlceras graves e até levar a morte.

Por isso , os pais ou profissionais que utilizarem o tratamento em crianças autistas podem responder criminalmente . A prática é criminosa e o uso do MMS, seja para ingestão ou uso via retal, pode ser inferido como crime no artigo 88 , no artigo 5º da Lei Brasileira de Inclusão, com pena de reclusão de um a três anos e multa.

É válido enfatizar que pais, mães e responsáveis que sujeitem crianças e adolescentes a tratamentos degradantes estão sujeitos às sanções cabíveis no campo criminal e ainda ao encaminhamento da criança ou do adolescente a programa de acolhimento e até perda da guarda .

O autismo é um transtorno de desenvolvimento que pode prejudicar a capacidade de se comunicar e interagir. As causas são desconhecidas, mas, a ciência acredita que são quadros resultantes da combinação de diferentes genes. Não há uma cura para essa doença, mas existem tratamentos para ajudar a diminuir os sintomas, como terapias e uso de antipsicóticos.

Vacina para dengue : quem pode tomar?

A vacina contém microorganismo atenuado , composta pelos quatro sorotipos vivos do vírus dengue. O diluente é constituído por cloreto de sódio e água para injeções – não contém adjuvantes ou conservantes.

Quem pode tomar

A vacina está licenciada para crianças a partir de 9 anos de idade, adolescentes e adultos até 45 anos e é recomendada para indivíduos previamente infectados por um dos vírus da dengue (soropositivos com ou sem história da doença).

Quem não pode tomar

• Pessoas imunodeprimidas ( em uso de corticoides ou com HIV);

• Gestantes;

• Mulheres amamentando;

• Pessoas que nunca tiveram dengue .

Epa , como assim? Só quem teve dengue pode fazer uso de vacina ? Sim , é isso mesmo .

A bula da vacina da dengue (Dengvaxia) vai mudar a pedido da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa. Após pesquisas recentes , a vacina foi contraindicada para as pessoas que ainda não contraíram a dengue.

Quem recebe a vacina , e nunca teve dengue , tem a uma chance maior de evoluir com a forma mais grave da doença , a hemorrágica .

Principais dúvidas sobre a vacina

Qual esquema de doses?

Três doses com intervalo de seis meses.

Por quanto tempo a vacina protege contra a dengue?

Desde que foram iniciados os estudos sobre a efetividade da vacina, há seis anos, ela tem demonstrado proteção duradoura após as três doses.

Se eu já tive dengue, posso tomar a vacina?

Sim, após 30 dias.

Posso contrair dengue da vacina ?

Não. Não existe a transmissão da doença pela vacina .

A vacina é eficaz?

A vacina é segura e eficaz, passou por 20 anos de pesquisas e estudos que demonstraram proteção de 93% contra a dengue grave e redução de 80% das internações pela doença.

Criança no banco da frente ? Desative o airbag!

Para melhorar a segurança dos veículos, foram criados os airbags: bolsões de ar de segurança que ficam dentro dos veículos, e são acionados em casos de colisão mais brusca.O airbag é feito para adultos e não deve ser utilizado quando crianças estiverem no banco da frente do veículo.

O airbag frontal de um carro abre cinco vezes mais rápido do que um piscar de olhos. Tudo acontece em cerca de 60 milésimos de segundo: uma central eletrônica detecta o impacto, um sinal é enviado ao deflagrador e uma reação química infla a bolsa.

Uma explosão de gás acontece ali dentro, por isso enche tão rápido.O airbag está lá para proteger, mas não deixa de ser algo agressivo.

Os airbags foram desenvolvidos para inflar e absorver o impacto do adulto na altura do peito, porém quando temos uma criança no banco da frente, o airbag é inflado diretamente em seu rosto, podendo machucar no momento de sua abertura e até causar sufocamentos.

Esse é mais um motivo para que crianças não andem no banco da frente. Contudo, a legislação permite que menores de 10 anos viajem como copilotos num caso específico: em carros que não têm banco de trás ou se a quantidade de crianças no carro com menos de dez anos for mair que a capacidade do banco traseiro (4 crianças, na maioria dos casos), a criança de maior estatura poderá se assentar no banco dianteiro, desde que utilizando sinto de segurança adequadamente.

O que fazer ?

Para evitar traumas , deve-se desligar o airbag.Devemos ter em conta que não todos os modelos e fabricantes contam com o mesmo sistema, nem seguem os mesmos passos para desativar o airbag do passageiro. Por isso, é fundamental ler o manual do fabricante onde indicará os passos que devemos seguir.

Evite na medida do possível que as crianças viajem no assento dianteiro. Se for necessário (por exemplo, se todos os assentos traseiros estão ocupados com crianças em suas cadeirinhas), devemos afastar o banco ao máximo para que fique o mais longe possível do airbag. 

Atenção !

• Nunca devemos colocar no assento do passageiro uma cadeirinha virada para trás sem desativar o airbag antes. 

• Relembre de ativar o airbag do passageiro em caso não levar uma criança neste assento com cadeirinha virada para trás e assim que sentar um adulto no mesmo. 

• As crianças maiores de 12 ou 13 anos podem ir no assento dianteiro mas sempre com o cinto de segurança bem fixado e colocando o assento o mais afastado possível. 

• A criança não deve se inclinar para frente e deve estar colocado na posição vertical contra o encosto.   

• Nunca ande de carro com a perna em cima do painel .Se a bolsa for acionada em um acidente, a perna pode dobrar para trás e ser lançada contra seu rosto.

• Objetos sobre o painel, como suportes para celular, também podem ser arremessados com violência. Por isso, nada deve ser colocado sobre a peça com a inscrição “Airbag”.

Fica a dica .

30 crianças por dia se machucam em brinquedos infláveis

Quem consegue impedir os filhos de brincar em uma cama elástica, ou no famoso “pula-pula”, como aqueles castelinhos infláveis? Obviamente, ninguém. E é justamente por isso que cada vez mais pesquisas têm alertado para que os pais sejam conscientes de seus perigos.

Recentemente, um estudo feito pela Academia Americana de Pediatria revelou que camas elásticas não são seguras para crianças menores de 6 anos.No Brasil, não existem dados oficiais e a Sociedade Brasileira de Ortopedia Pediátrica utiliza as mesmas regras de segurança americanas.

Um estudo realizado pelo Nationwide Children’s Hospital descobriu que entre 1995 e 2010 houve um aumento de 15 vezes no número de ferimentos relacionados a brinquedos infláveis nos EUA, tratados nas emergências entre crianças menores de 18 anos.

Cerca de 30 crianças por dia, ou cerca de uma criança a cada 45 minutos, foram tratadas nos prontos-socorros dos hospitais americanos por conta de lesões associadas a brinquedos infláveis.

Sem orientação adequada sobre os perigos embutidos nas camas elásticas, que proliferam por casas de festa e parques públicos, os pais, na maior parte dos casos, só se dão conta do risco quando já é tarde.

Tipos de lesões

Fraturas (28%) e distensões ou torções (27%) foram os tipos mais comuns de lesões. Cerca de uma em cada cinco lesões (19%) foi na cabeça ou pescoço, demonstrando que o uso destes brinquedos podem representar sérios riscos. Na cama elástica, ferimentos na cabeça e no pescoço foram responsáveis por mais de 10% de todas as lesões.

Quedas (43%) foram a causa mais comum de lesão, seguida de acrobacias e colisões.

O que fazer?

O que os pais devem fazer, então? Impedir seus filhos de brincar em tais atrações? Levando em conta que isso seria praticamente impossível, os pesquisadores sugerem algumas outras atitudes.

• supervisão do brinquedo por um monitor : assim reduz a superlotação e que crianças maiores brinquem com as menores ;

• normas mais rígidas para brinquedos infláveis ;

• cuidado com o estado de conservação : a recomendação da ONG Criança Segura é que os pais observem se, brinquedos com partes metálicas , como molas ou grades , estão protegidas com tecidos .

As molas ou grades podem causar uma lesão grave durante a brincadeira , como amputação ou fratura exposta.

Todo fim de semana chega ao hospital uma criança com lesão provocada por brinquedo inflável. O objetivo deste post é justamente alertar quanto aos riscos e orientar aos pais a supervisão permanente , principalmente nos menores de 10 anos.

Fica a dica.

Criança morre após tomar desinfetante em embalagem de suco

Uma bebê de 10 meses faleceu no interior de São Paulo, depois de ingerir um produto de limpeza que estava guardado em uma garrafa de suco. Logo depois de tomar o líquido, entregue pela avó na mamadeira, a menina começou a passar mal e, embora tenha sido levada rapidamente a um hospital da cidade, não resistiu e faleceu.

Crianças são curiosas por natureza, mas se o ambiente que ela estiver não for seguro, isso pode representar um perigo em potencial. Ao contrário do que os pais imaginam, o perigo está dentro de casa, onde há muitas coisas potencialmente arriscadas, como produtos de limpeza e higiene, plantas, medicamentos e bebidas alcoólicas.

De acordo com dados do Ministéria da Saúde, essa é a quinta maior causa de internação por motivos acidentais entre crianças com idade de zero a 14 anos.

As consequências da intoxicação para o organismo das crianças são mais sérias que em um adulto, devido a estrutura corporal menor, ao metabolismo mais rápido e aos órgãos internos, que são mais vulneráveis.

O que fazer?

Se seu filho entrar em contato com produtos que podem intoxicá-lo, o primeiro passo é identificar o que causou o acidente e qual foi a quantidade ingerida. Em caso de ingestão, os pais não devem oferecer líquidos e não provocar vômitos. Se o contato foi com a pele ou olhos, lave o local com bastante água.

Além disso, retire as roupas sujas com o produto e leve a criança até o médico mais próximo, com o rótulo, embalagem ou bula do produto intoxicante.

Se a criança estiver desacordada, com dificuldade para respirar ou convulsionando, chame imediatamente o serviço de emergência 192.

Como evitar?

Quando a criança chega ao hospital depois de ingerir um produto de limpeza, o máximo que a equipe médica poderá fazer é diminuir os danos.Por isso a prevenção é fundamental.

Produtos comprados a granel não devem ser guardados em embalagens de alimentos ou bebidas, como garrafas pet, por exemplo. Os produtos são coloridos e chamam a atenção das crianças . Se colocados em embalagens de refrigerante ou suco , será inevitável que ela vá experimentá-lo.

Por serem coloridos e terem cheiros chamativos, os produtos de limpeza são atrativos às crianças e, portanto, devem ser mantidos em lugares altos e afastados delas. As intoxicações representam 3% das internações de crianças até os 14 anos, de acordo com informações da ONG Criança Segura, sendo a quinta maior causa de internação e estar entre as 10 maiores causas de morte.

Produtos de limpeza que contêm soda cáustica são um dos mais perigosos para crianças, pois causam queimaduras e podem levar à perfuração dos órgãos. A soda cáustica, ou a substância hidróxido de sódio, está presente em produtos muito usados na limpeza de fornos, de fogões e em desentupidores de pia.

5 benefícios para a criança que brinca com figurinha

Qual criança não está empolgado em completar o álbum de figurinhas da Copa do Mundo ? Os meus , claro ! Mas são uma exceção , uma raridade . Não por conta da mamãe aqui , que na verdade até insistiu para eles entrarem na brincadeira !

O álbum da Copa do Mundo quando nos demos conta, ele já era o protagonista do dia a dia da criançada .Eu sei que muitos pais resolveram focar no lado bom da coisa : o álbum ajudou crianças a se familiarizarem com números, a aprenderem o nome de países que jamais nem teriam ouvido falar, a visualizar imagens da Rússia e a exercitar a memória na busca pelas figurinhas que faltavam.

Tem muita escola colocando o álbum dentro da sala de aula , pois o material trabalha a linguagem numérica , textual e de imagem . A criança aprende dentro de um contexto real e próximo dela . Até o simples ato de tirar o papel com os dedos e fazer a colagem estimula a coordenação fina das criança pequenas , devido ao movimento em “pinça”.

Coisas boas que vieram junto com essa brincadeira :

1. Paciência: Já vi gente que completou o álbum da copa em um dia , mas para mim a graça é ir completando aos poucos. Completar o álbum todo é um exercício que precisa de paciência.

A paciência faz a criança persistir em uma atividade difícil, ter tranquilidade para alcançar o objetivo, ser perseverante. E esperar pela figurinha número 10 é uma forma lúdica de treinar a paciência nas crianças,não é mesmo?

2.Vida social : Uma das partes legais de juntar figurinhas é poder trocá-las.E que delícia os encontros aos sábados em pontos de troca. Tem gente de todas as idades.Uma experiência incrível de troca de figurinhas e de um bom bate papo.

3.Concentração: Abrir um pacotinho sem rasgar as figurinhas, desgrudar a parte que cola daquele papelzinho com o número da cartinha e até mesmo colá-la no álbum pode ser um grande desafio .As figurinhas são um ótimo exercício para treinar a concentração das crianças .

4. Exercício da matemática : são números de 1 a 600 , e tem muito pai ajudando o filhos fazer uma planilha para as figurinhas que faltam . Contar as figurinhas repetidas , contas de adição e subtração nas trocas . Olha quanta coisa !

5. Vida familiar : todo mundo participa , pais, avós , tios e primos . É um hobby compartilhado e assim fica muito mais divertido . As crianças deixam as telas ( celulares , tablets , tv) por um bom tempo e passam momentos com os pais e irmãos .

Como não estragar a brincadeira

Cuidado com o poder do dinheiro ! Tem muito pai e avô comprando muitos envelopes de uma só vez e assim o álbum se completa em pouco tempo . Isso diminui a graça , pois com o álbum completo , a brincadeira chegou ao fim. Não há a espera , o prazer de trocar uma figurinha rara , perdendo o seu valor .

Atenção ao comportamento negativo das crianças .Assim como aconteceu na febre das cartinhas pokemon, algumas crianças podem ter a figurinhas roubadas por colegas ou perderem injustamente em trocas. Os pais devem estar atentos e educar para que as crianças tenham e assumam responsabilidades . Infelizmente , com a “terceirização ” da educação , tem muito pai e mãe de olho fechado para comportamento errado do filho.

Não estrague a brincadeira e entre no jogo!