Como tirar a fralda?

Os pediatras costumam recomendar que as famílias iniciem o processo de desfralde a partir de 1 ano e meio até os 3 anos, período em que a criança já é capaz de obedecer alguns comandos. No entanto, mais do que focar na idade, vale lembrar que o momento ideal é quando o bebê se mostrar preparado – e isso pode variar muito de criança para criança.

O desfralde é algo que pode acontecer de um dia para o outro ou desafiar os pais por um bom tempo. Não há regras específicas para seguir, que funcionem com todas as crianças. Cada experiência é diferente, inclusive entre irmãos.

A experiência com meninos e meninas pode ser diferente. Muitos apontam que desfraldar as meninas é mais fácil, mas os especialistas afirmam que não há diferença na maneira de realizar o desfralde.

Tire a fralda diurna

Nas primeiras madrugadas, o ideal é levá-lo a cada duas horas ao banheiro e tente descobrir em que horário, aproximadamente, ele costuma urinar. Então, procure acordar toda noite nesse horário para colocá-lo no vaso e, mais para frente, ensiná-lo a ir sozinho quando precisar.  

A retirada da fralda do período diurno é mais fácil e costuma demorar em média 2 meses. Acidentes poderão acontecer , com perda de xixi na sua sala ou no sofá , principalmente quando as crianças estão mais distraídas . Procure agir com calma e não grite ou repreenda o seu filho , pois ele está em uma fase de aprendizado e isso só irá atrasar o desfralde.

Demonstrar com gestos e diálogo o quão feliz e orgulhoso você está com o seu filho é fundamental. Parabenize-o por todas as vezes que ele conseguir chegar a tempo no banheiro.

A retirada da fralda noturna é mais complicada e exige mais paciência, levando , na maioria dos casos, de seis meses até um ano, contando a partir do momento em que a criança começa a acordar com a fralda seca. Comece diminuindo a ingestão de líquido do seu filho durante a noite.  E antes de colocá-lo na cama, diga para fazer xixi.

Se o seu filho permanecer por um período de 3 a 5 dias com a fralda sequinha de noite, tente tirá-la. Normalmente, o organismo das crianças demora bastante para conseguir segurar o xixi durante o sono profundo, então pode ser um processo demorado.

Brigar, falar mal, reprimir ou manter uma postura negativa diante da criança não vão fazer com que ela aprenda a fazer certo da próxima vez. Pelo contrário, isso acaba desestimulando. Mantenha-se positivo e incentive a criança. Diga que da próxima vez ela vai conseguir; Fale que aquele xixi ou cocô foi compreensível porque ela estava muito ocupada brincando. Seja paciente.

Dicas

1.Penico : para mim foi a solução ! Minha dica é: deixe o penico no lugar aonde a criança passa mais tempo . Assim , quando bater a vontade , o penico estará próximo e a taxa de sucesso maior . Com o passar do tempo , vá afastando o penico em direção ao banheiro e só depois faça a transição para o vaso sanitário.

Mesmo se o seu filho for menino, é importante que ele aprenda, primeiro, a fazer as necessidades biológicas sentado, pois as chances do xixi e do cocô virem juntos no começo são grandes.

2. Não tenha pressa : é muito comum após o desfralde a criança passar a ficar com o “intestino preso”.

Ver irmãos e amigos usando o banheiro é um estímulo para a criança, que deseja copiar os maiores e entende o processo como natural.

3. Atividades no banheiro : adesivos de , livros e levar o bichinho de pelúcia favorito ao banheiro são atividades que , na minha opinião , atrapalham e distraem a criança . Evite.

4. Roupas adequadas : Nada de roupa difícil , como um macacão por favor ! Os pequenos irão sujar muito mais peças de roupas no desfralde. Portanto, prepare peças extras e fáceis de colocar e tirar (inclusive meias e sapatos, sim, eles também se sujam). É importante também que a criança consiga tirá-las e colocá-las sozinha.

5. Calcinha , cueca e protetores : Alguns produtos como calcinhas e cuecas de transição podem ser úteis tanto para gerar mais conforto ao bebê, para que não fique molhado, como para evitar que você saia limpando o chão a todo instante! Os protetores absorventes para o colchão também são um ótima dica para quem já vai iniciar o desfralde noturno.

Existem no mercado as ‘pull-ups’, como são chamadas as ‘fraldas de treinamento’, que podem ser uma mão na roda nesse processo, e se assemelham bastante com roupas de baixo e podem ser tiradas facilmente pelos pequenos.

6. Paciência : Evite fazer esse processo em momentos muito turbulentos da vida da família, como mudança de casa, de escolinha, chegada de um irmãozinho, morte de um parente, viagens, separação dos pais etc.

Como fazer o seu bebê dormir a noite inteira

Eu sei que você já deve ter ouvido alguma colega ou vizinha dizer que o bebê dela dorme a noite inteira e nunca deu um pingo de trabalho . Mas saiba que isso é muito raro.

Nos primeiros meses , o estômago do bebê é pequeno e por isso a mamada é de livre demanda : ele mama na hora que desejar. A frequência das mamadas ocorre mais ou menos a cada 3 horas e por isso será inevitável que você tenha um sono restaurador neste período .

Especialistas afirmam que neste período o bebê ainda não produz o hormônio regulador do sono , a melatonina , e por isso o ciclo dia e noite pode estar invertido – bebês que dormem durante o dia e ficam acordados durante a noite . Então saiba que isso também é normal .

No desespero por um descanso , muitos pais recorrem a chás de todos os tipos, reforçam a mamadeira com engrossante ( farinha láctea ou mucilon ) , acrescentam mamadeiras ou mamadas de madrugada e até chegam a dar remédios para o bebê dormir.

Pensando nisso surgiram os chamados “consultores do sono” que através de técnicas diversas prometem dar algum alívio para as noites mal dormidas . Será que realmente funcionam ?

Apenas 10% dos bebês a partir dos 3 meses dormem a noite inteira – cerca de 5 horas seguidas . Seja em aleitamento ou mamadeira .

O Método de carinho

Esta metodologia de Elizabeth Pantley, autora do livro “Soluções para Noites Sem Choro”, visa a adaptação gradual do bebê. As estratégias baseiam-se em inibir as associações do sono – embalar para dormir . No caso dos bebês que dormem apenas se forem embalados, a ação deve ser diminuída gradualmente.

Já os que têm o hábito de mamar para dormir, a mãe deve retirar gentilmente o mamilo da boca do pequeno quando perceber que ele não está mais mamando com vigor. Não há problema se ele procurar o mamilo e mamar novamente desde que você retire o mamilo quantas vezes forem necessárias para ele entender que não dormirá enquanto mama.

Vantagem : baseada no carinho , não há sofrimento para o bebê.

Desvantagem : demanda tempo e muita paciência .

Método do choro controlado

Do pediatra Richard Ferber, neste método o bebê é colocado no berço sonolento, ainda acordado. Os pais só voltam ao quarto se ele chorar forte, esperando de dois a três minutos até aparecer novamente e confortá-lo brevemente, sem a intenção de acalmá-lo ou de fazê-lo parar de chorar. A visita é apenas para mostrar que ele não está sozinho e que é hora de dormir. Faça isso por até um minuto e saia, mesmo que o bebê continue chorando. O processo deve ser repetido sempre que necessário e não é aconselhado dar colo.

Vantagem : técnica com resolução em menor tempo

Desvantagem : choro e sofrimento do bebê podem ser devastadores para as mães e pais nos primeiros dias

Método da encantadora dos bebês

A técnica da enfermeira Tracy Hogg, conhecida como encantadora dos bebês, se baseia em ma organização de rotina através de uma sequência que deverá ser seguida durante o dia: o bebê mama, brinca e dorme. Se ele chorar, tente acalmá-lo sem tirá-lo do berço. Se necessário, faça a técnica de pegar no colo e colocar no berço, até ele aprender a dormir ali. A tática é a criança ir para o colo apenas para se acalmar e depois para a cama. Faça isso até ela dormir.

Vantagem : incentiva a rotina e o ritual de sono , por isso tem maior eficácia a longo prazo .

Desvantagem : alguns bebês ficam mais estressados de serem pegos e colocados de volta no berço. O método costuma demorar mais tempo e exige paciência.

Método da cadeira

A técnica de Kim West ensina a colocar uma cadeira ao lado do berço para o cuidador se sentar, sem conversar até que o bebê durma. Você pode até tocá-lo em alguns momentos, mas não o tempo todo, pois o objetivo é dissociar o toque e o colo do sono.

Quando ele acordar, você voltará para a cadeira e dali continuará confortando-o, com menos contato físico e fala. Depois de três noites, a cadeira deverá ser movida para o meio do quarto, Em mais 3 noites, ela deverá ficar na porta. Nessa técnica, o bebê poderá chorar, mas não estará sozinho.

Vantagem : semelhante ao método do choro controlado , mas neste caso você pode confortar a criança .

Desvantagem: se você ficar tocando e conversando com seu filho, ele continuará dependente de você e dificilmente não irá para o colo .

Qual o melhor método ?

A melhor técnica irá variar para cada binômio mãe-bebê . Não há uma reposta única , por isso existem tantos métodos e cursos .

Não dormir não é brincadeira – qualquer novo pai pode dizer-lhe quão debilitante é. Isso afeta a sua vida : tira sua capacidade de pensar claramente , lembrar de coisas , enfraquece seu sistema imunológico e seus reflexos, diminui o desejo sexual . Também pode causar depressão e ansiedade. Tudo é mais difícil quando você não está dormindo.

Essa fase vai passar !

8 alimentos perigosos para crianças

Todos os anos morrem ou ficam com sequelas graves crianças devido ao engasgo. Brinquedos pequenos e alguns alimentos são as principais causas em crianças pequenas. Segundo a Academia Americana de Pediatria, a comida é responsável por metade dos incidentes de asfixia em crianças pequenas.

De acordo com o Datasus, no Brasil, em 2014, foram registrados 108 casos de inalação ou ingestão de alimentos, sendo que 74% deles aconteceram com menores de 4 anos. Destes, metade aconteceu com crianças menores de 1 ano. Isso porque até os 4 anos as crianças ainda não têm o controle da mastigação 100% desenvolvido.

Alimentos representam o maior risco de asfixia para crianças

Doces : As campeãs de engasgos são as balas duras e pirulitos , que, sozinhas, representam quase 25% das ocorrências. Um pequeno pedaço pode ficar alojado na garganta de uma criança e impedir a passagem do ar .

Lembra da bala Soft? Campeã de engasgos !

Espinho de peixe : De acordo com especialistas, além do incômodo de ter algo pontiagudo e sólido atravessado na garganta, os tecidos da garganta podem acabar inflamando. O problema é que um inchaço nessa região, dependendo da intensidade, pode dificultar a respiração e causa asfixia, especialmente no caso de crianças.

Pipoca : Não deve ser dada às crianças menores de 4 anos de idade .São facilmente aspiradas e podem ficar presas na garganta dos mais pequenos.

Uvas e tomates : Alimentos muito lisos e arredondados devem sempre ser cortados ao meio ou em mais partes.

Pedaços de carne e queijo: Os pedaços de queijo e carne são difíceis de mastigar e podem “entalar” na garganta . Por isso sempre use carne macia , picada ou moída .

Manteiga de amendoim : A manteiga de amendoim é um dos alimentos preferidos das crianças americanas, mas são cada vez mais um petisco em todo o mundo. Pode parecer estranho mas este é um dos alimentos mais perigosos para crianças.

Salsicha : o famoso cachorro-quente das festinhas infantis deve ser oferecido em pedaços aos menores de 4 anos . A salsicha deve ser cortada em fatias .

Apesar de não ser um alimento duro, tem uma textura mole que pode ficar presa no céu-da-boca e garganta.

Nozes , amêndoas e amendoim : pequenos e duros , estão presentes em barrinhas de cereais , chocolates e até pães de forma . Só devem ser oferecidos bem triturados .

O que fazer ?

Os sinais mais comuns de engasgamento incluem: tosse ou respiração ruidosa; lábios ou pele azuladas; esforço grande para respirar e eventual perda de consciência. A criança pode também emitir ruídos atípicos ou abrir a boca sem emitir nenhum som, podendo não conseguir chorar ou tossir.

Se a criança ou o bebê estiverem engasgados, porém conseguirem tossir, NÃO MEXA NELES . Retire com a mão apenas objetos ou secreção visíveis. Mantenha a criança em posição confortável para ela. A tosse é, neste caso, a melhor chance de expelir o objeto que causou o engasgo; também significa que há respiração.
Se você interferir, pode causar um deslocamento do objeto e piorar a situação com uma obstrução completa e conseqüente, impedimento a respiração. Portanto, apenas incentive-a a tossir.

Se houver uma obstrução completa, haverá impedimento à entrada e saída de ar, o que impossibilita a criança ou o bebê de emitirem qualquer som vocal e tosse. Neste caso , há duas técnicas para desengasgar uma criança: uma específica para bebês até 1 ano e outra para crianças a partir dessa idade.

A primeira consiste em colocar o bebê de bruços, deitado sobre seu antebraço. O antebraço pode estar apoiado em sua perna ou outra superfície firme. A cabeça do bebê deve estar mais baixa que o corpo. Com a mesma mão, use os dedos médio e indicador para manter a boca dele aberta enquanto com a outra, você dá cinco tapas em suas costas, entre os ombros.

Em seguida, vire o bebê para você, deitado no mesmo apoio, e faça cinco compressões com os dedos médio e indicador no meio do peito, entre os mamilos. Afunde os dedos de dois a três dedos de altura, o que corresponde a cerca de 4 cm. Se ele chorou ou tossiu, significa que desengasgou. Caso contrário, repita o primeiro procedimento.

Na segunda , na criança maior que 1 ano, posicione – se atrás da criança, avisando-a da ajuda e iniciar compressões na boca do estômago . A manobra de Heimlich consiste em apoiar a mão fechada em punho, uma sobre a outra, entre o umbigo e a extremidade inferior do osso do peito da criança e realizar compressões , em trancos, para dentro e para cima, até que a criança consiga expelir o objeto .

Vamos conversar sobre a moleira do bebê ?

A moleira do bebê, também chamada de fontanela, é uma membrana fibrosa que ocupa os espaços entre os ossos do crânio. Esta membrana fica na frente e atrás da cabeça, para facilitar a passagem do bebê pelo canal vaginal na hora do parto.

Ela é mole e flexível, e extremamente necessária, pois o cérebro do bebê está em crescente desenvolvimento e está aumentando de tamanho desde o momento do nascimento até por volta dos 2 anos de idade, que é onde o volume do cérebro aumenta consideravelmente, geralmente em torno de 10 cm só no primeiro ano de vida.

Exatamente por isso que as medidas da cabeça ( perímetro cefálico ) são tão necessárias durante a consulta com o pediatra !

Se não fosse esse espaçamento o bebê poderia ter uma má formação neurológica : o cérebro do bebê estaria crescendo e não teria espaço para expandir.

Quando o bebê está deitado, as moleiras são normalmente planas, ou então levemente deprimidas quando ele está em posição vertical. Tais áreas podem pulsar com movimentos sutis de elevação, o que não deve causar preocupação, pois são resultado da pressão arterial do cérebro.

Quando ela fecha?

A moleira posterior se fecha no segundo mês de vida, e a anterior se fecha por volta dos 18 meses. Se esta fechar antes de um ano ou este processo demorar muito, é importante consultar um pediatra.

Se não fechar …

… acompanhado de aumento do perímetro cefálico fora do padrão , pode indicar hidrocefalia . A Hidrocefalia é uma doença no qual ocorre o aumento da quantidade de líquido cefalorraquidiano no cérebro, que em excesso aumenta a pressão dentro do crânio.O bebê que nasce com Hidrocefalia tem uma moleira que demora muito mais do que normal de tempo para fechar, e leva ao crescimento acelerado da cabeça e dificuldades no desenvolvimento neurocognitivo.

E se fechar antes …

… ocorre a cranioestenose . A cranioestenose é o fechamento precoce das moleiras . Essa condição impede o crescimento normal do cérebro, podendo causar deformidades na cabeça do bebê e até mesmo lesões neurológicas gravíssimas.

Ocorre um caso para cada 2.000 crianças nascidas, ela é mais comum em meninos. O tratamento para essa condição é cirúrgico, aonde criam-se espaços nos ossos do crânio para o desenvolvimento do cérebro do bebê.

Portanto quanto mais cedo a descoberta, melhores resultados terão as intervenções que serão realizadas, para minimizar as complicações da doença.

E se ficar funda …

… não significam nada se a criança estiver ativa, porém, se ela estiver abatida , pode significar que o bebê está desidratado. É um dos sinais , mas não o único . Um bebê ativo com boa diurese e evacuações normais , apesar da moleira funda , não é uma criança desidratada .

Objeto se transição: uma técnica que pode melhorar a qualidade do seu sono

Recentemente li um post da apresentadora Fernanda Lima contando seu cansaço porque a sua filha caçula, Maria Manoela, se recusa a dormir longe da mãe.

Queixa super comum de mães em aleitamento materno exclusivo , no meu consultório eu receito o objeto de transição. E você , já ouviu falar?

A IMPORTÂNCIA DOS OBJETOS DE TRANSIÇÃO

Os objetos de transição são mais do que os primeiros amigos da criança na primeira infância: eles trazem segurança e acalmam o bebê, sendo muito importantes para o desenvolvimento psicológico.

O termo apareceu pela primeira vez em 1953, nas pesquisas do pediatra e psicanalista inglês Donald Woods Winnicott. Ele classificou como objeto de transição qualquer coisa à qual o bebê e a criança se apeguem após os quatro meses de vida – período após a exterogestação, em que o bebê começa a entender que ele e a mãe não são a mesma pessoa.

É então que o bebê passa a “substituir” a figura materna por qualquer objeto que demonstre apego.

O objeto de transição pode ser um bichinho, um travesseirinho, um paninho ou qualquer outro objeto ao qual a criança se apegue e que sirva de conforto em momentos de insegurança, medo, angústia ou tristeza. Ele é aquela coisinha que seu pequeno não larga por nada nesse mundo e que carrega para todo lado que vai.

Travesseiros e fraldinhas são excelentes opções!

Algumas crianças não terão nunca um objeto de transição. Simples assim. Nesse caso, não precisa se desesperar, ela simplesmente não quis ou não precisou. Não insista.

Ao escolher um objeto de transição, de preferência por algo que possa ser substituído em caso de perda (fraldinhas só ótimas por isso). Afinal, se seu filho se apaixonar e depois ficar sem, aí sim você terá problemas. As fraldinhas são excelentes opções… meu filho amava!

Os objetos de transição são muito usados pelos bebês para compensarem a ausência da mãe . Eles servem como consolo quando a mãe não está por perto ou para acalmar e confortar os bebês em momentos delicados como de insegurança, angústia, sono, cansaço e são ÓTIMOS para ajudar os bebês a dormir.

TREINANDO A CRIANÇA COM O OBJETO DE TRANSIÇÃO

Após a escolha do objeto , coloque-o entre você e o bebê em cada mamada , principalmente nos horários em que a criança costuma dormir , fazendo uma “barreira” entre vocês dois.

Se você oferecer algo e, depois de um tempo, parecer que não rolou uma sintonia, troque o objeto. Experimente um bichinho de pelúcia (sempre antialérgicos, para não virar um problema), um travesseirinho, uma fraldinha.

Se nada der certo , insista na fraldinha !

O objetivo é que , após um certo tempo , a criança comece a se acalmar sem que você precise amamentá-la ou estar coladinha o tempo todo . Auxilia muito no processo do dormir e tem ajudado muitas mamães do meu consultório.

Espero que tenha sido bom para você também!

Banho em crianças só 1 vez ao dia !

O banho das crianças pode ser a ocasião ideal para fortalecer os laços com elas e estimular a autonomia. Aproveite essa oportunidade de transformar uma tarefa simples em um momento mais agradável e divertido.

Para fazer isso, você deve saber qual é hora mais conveniente para o banho e quanto tempo deve durar. Aqui você encontrará as melhores dicas para dar um banho em seu filho.

Após os seis meses de vida, esse momento se torna uma oportunidade para brincar e se divertir para o bebê. Então, a partir de um ano, a criança já pode começar a participar ativamente de sua própria higiene. Já aos três anos, ela ganha ainda mais independência.

A hora do banho

Embora esse hábito não precise de um horário rígido, é possível colocar algumas atividades de referência para criar uma rotina. Por exemplo, depois do jantar e antes de dormir.

Dessa forma, a criança saberá qual é o momento de higiene. É importante enfatizar que essas rotinas ajudam a criança a construir sua identidade pois proporciona estabilidade em um estágio de crescimento e de descoberta constante.

Quais áreas devem ser limpas e quais não devem

A partir dos três anos de idade, a criança vai querer lavar a barriga, os braços ou as pernas. Deixe que ela se ensaboe com uma esponja. No entanto, você deve ajudar a limpar as áreas mais delicadas do corpo, como os ouvidos. É necessário enxaguar bem, mas sem introduzir nada ( não use cotonete!). O mesmo vale para o nariz, que você pode limpar com uma esponja e soro fisiológico.

Você também pode dar o exemplo caso tomem banho juntos. A criança aprende muito com o que vê. 

Perigos no banho para as crianças

É comum que acidentes aconteçam no banheiro se as medidas adequadas não forem tomadas. Para evitar, é preciso tomar certas precauções.

Primeiro, tenha cuidado quando a criança entrar no box ou na banheira, segure-a para evitar escorregões. Se possível, fixe uma superfície áspera no chão.

Da mesma forma, evite ter aparelhos elétricos perto da água e não deixe a criança sozinha em nenhum momento. O menor descuido pode acabar em um acidente grave. Então, tente pegar tudo o que você precisa antes de começar o banho.

Para evitar queimaduras, ajuste a temperatura da água para menos de 37 graus. Para isso, coloque o cotovelo ou a parte inferior do pulso na água e verifique se está morna, e não quente demais.

Quanto tempo deve durar o banho das crianças

Na verdade, é você quem decide quanto tempo o banho deve durar. No entanto, o objetivo deve ser a higiene da criança, e não o fato de passar muito tempo na água. Além disso, se a criança é propensa a resfriados, é melhor que o banho não seja tão longo.

Com que idade a criança pode tomar banho sozinha?

A partir dos 6 anos de idade a criança já pode tomar banho sozinha para que tenha mais privacidade. No entanto, deve haver um controle. Por exemplo, diga quanto tempo ela pode ficar no banheiro e verifique se está se limpando corretamente.

Excesso de banho provoca doenças de pele

Banhos em excesso podem levar a dermatites e infecções por fungos , como as micoses . Pesquisadores do Centro de Ciência Genética da Universidade de Utah, nos Estados Unidos, concluíram que o excesso de limpeza pode danificar o microbioma humano ( bactérias, vírus e outros micróbios que vivem em nosso corpo e são essenciais para a manutenção de nossa saúde).

Além disso , a pele tem uma camada de gordura que protege a pele de microorganismos nocivos. Sempre que tomamos banho, perdemos 2/3 dessa camada, que funciona como uma barreira de proteção para pele .

Por isso a recomendação é de tomar apenas 1 banho com sabonete . Caso seja necessário tomar mais de uma vez , não use sabonete ( pode usar somente nos genitais ) e hidrate bem a pele.

Fica a dica .

Técnica simples de fazer o bebê dormir e sem medicação!

Eu nunca tinha ouvido falar em ruído branco . Mas depois que você ler esse texto , vai entender como ele pode melhorar a qualidade de sono do seu filho .

O ruído branco é um som que emite frequências na mesma potência , ou seja , não há variação de intensidade ou altos e baixos. Ele é contínuo e cria uma espécie de barreira sonora para abafar sons vindos de fora. Achou confuso?

É bem possível que você já tenha deixado a TV ligada e em um volume baixinho durante a noite para dormir mais rápido. Você não sabia, mas estava usando a técnica do ruído branco. Outro exemplo é o som emitido por um ventilador ligado e até mesmo pelo ar-condicionado.

E COMO INFLUENCIA NA QUALIDADE DE SONO DAS CRIANÇAS?

Simples : ruído branco abafa sons vindos de fora, como cachorros latindo, objetos caindo e pessoas conversando. Todos esses sons tornam-se menos perceptíveis e menos capazes de ativar o córtex cerebral, evitando que o bebê acorde assustado.

Um bebê ao escutar o som do próprio choro, seu cérebro fica agitado e sente dificuldade para entrar no estado de sono. Com o ruído branco, o som de choro é abafado, ajudando a acalmar e a dormir com mais facilidade.

E quando o bebê acorda e “escuta o silêncio”, ele tende a se assustar por não saber onde a mãe está. Com o ruído branco ele tem a mesma sensação que sentia no útero, ouvindo os sons emitidos pelo corpo da mãe constantemente. Por isso, é uma boa técnica para usar com recém-nascidos.

COMO USAR ?

Sons de eletrodomésticos que funcionam como ruído branco:

  • Máquinas de lavar roupa
  • Máquinas de lavar pratos
  • Secadores de cabelo
  • Aspiradores de pó
  • Ventiladores

Mas claro né, não dá para fazer isso a noite ou deixar o secador ligado a noite toda , então bota no celular um som de natureza :

  • Sons de água
  • Chuva
  • Cachoeiras
  • Mar e suas ondas
  • Vento

Música também pode , mas lembre-se : sem alterações de ruídos para grave e agudo . O som deve ter sempre a mesma frequência e volume .

MAS ATENCAO ! NEM TODO BEBÊ GOSTA DO RUÍDO BRANCO

É importante saber que o ruído branco não funciona para todos os bebês.  Cada criança é diferente quando se trata de dormir, portanto pode ser um processo de tentativa e erro.

Se você decidir experimentar o ruído branco, certifique-se de fazê-lo com segurança e em volume baixo. Escutem vários aparelhos no mercado que podem facilitar a sua vida .

Alguns exemplos de aparelhos que você encontra na Internet
Escolha o seu modelo !

Meu bebê tem chiado no peito que não passa

Seu bebê vive com um chiado no peito ? Nariz entupido ou espirros ? Veja o que fazer e por que isso acontece :

Todo recém -nascido possui um problema em comum : o nariz entupido . Queixa frequente nos primeiros meses de vida , nem sempre indica algum problema de saúde .

Anatomicamente , o nariz do bebê é pequenino , assim como o seu canal de fluxo de ar dentro da narina . Então imagine o estrago que apenas uma partícula de secreção pode fazer – uma obstrução do fluxo de ar , gerando aquele famoso ” chiado no peito ” dos bebês .

Apesar do chiado ser sentido no tórax , ele não compromete o pulmão . Isso ocorre devido à obstrução parcial do fluxo de ar no nariz , que gera um turbilhonamento durante a sua passagem , que pode ser “sentido como um ronquinho” durante a inspiração do seu filho.

Por isso, apesar do chiado ser no peito , seu pediatra indicará a boa e antiga lavagem nasal , com conta gotas ou jato continuo . E olha que isso deverá ser feito com frequência , principalmente nos primeiros 3 meses de vida .

Com o crescimento do bebê a congestão nasal melhora e muito . Isso porque assim como o seguilhote ganhou peso e cresceu , seu narizinho , antes do tamanho de uma uva , agora já está maior e para entupir o canal de passagem do ar , necessita de uma secreção em maior quantidade .

Não é por causa do tempo ?

O tempo seco e problemas respiratórios maltratam o nariz dos bebês, principalmente nos meses de agosto e setembro . Cabe aos pais fazer a higienização correta para que a criança não sofra com o famoso nariz entupido. A higiene nasal é importante para facilitar a drenagem das secreções, eliminar partículas e até mesmo agentes infecciosos que podem se acumular nas vias aéreas superiores, agindo na prevenção das rinossinusites agudas e crônicas.

O que fazer além da lavagem ?

• Banho morno: para desentupir o nariz do bebê pode-se dar um banho morno nele, deixando o banheiro ficar com muito vapor, para facilitar a eliminação das secreções.

• Aspirador nasal: uma outra forma de desentupir o nariz do bebê é retirar a secreção pelas narinas através de uma bombinha ou aspirador nasal .

• Travesseiro embaixo do colchão: colocar uma almofada ou um travesseiro triangular por baixo do colchão do berço do bebê também é uma ótima forma de desentupir o nariz do bebê. Assim, a cabeceira fica mais elevada e a secreção não fica acumulada na garganta, deixando o bebê dormir sossegado.

Fimose feminina : fique por dentro .

Um problema ginecológico muito frequente e desconhecido pela maioria das mamães é a sinéquia dos pequenos lábios vaginais, chamada popularmente de “fimose feminina”. Ela ocorre, principalmente, entre os 3 meses e 6 anos de idade nas meninas.

Normalmente a própria mãe durante as trocas de fraldas percebe que tem algo diferente nas genitálias, mas também pode ser notado nas consultas de rotina com o pediatra.

Nota-se uma aderência, ou seja, os pequenos lábios da vagina estão “grudados” .Não há um motivo específico para que isso ocorra. Acredita-se que estejam ligadas aos baixos níveis de estrogênios — o que é comum na infância

Uma das causas prováveis ocorre devido ao atrito com a fralda ou com a calcinha, associado a higiene inadequada, dermatites na região ou traumas , que podem desenvolver alguma feridinha ou machucado . Com a cicatrização , associado a baixa produção de hormônios femininos , os pequenos lábios podem ficar grudadinhos e evoluir com a sinequia.

Não se tem relatos da sinéquia vaginal fechar completamente o orifício da vagina. Em todos os casos há um pequeno furo para passagem da urina . Mas pode ser o motivo para infecções urinárias, irritação e coceira ou até mesmo a presença de corrimentos provocando mau cheiro.

O que fazer ?

Design by Freepik

Por se tratar de uma doença que costuma se resolver sozinha na puberdade, a maioria dos médicos opta por um tratamento conservador, já que a separação dos pequenos lábios por meio de procedimento cirúrgico pode ser dolorosa e o problema voltar várias vezes até o momento da primeira menstruacão.

Se houver a inflamação local da mucosa ou da pele da vulva, pode-se lançar mão de cremes à base de corticoide ou com hormônios . Para que não haja a recorrência da sinequia após a abertura da membrana, é importante sempre manter uma boa higiene local, não utilizar substâncias irritantes no local, não usar roupas apertadas e fazer uso de roupas intimas de algodão.

De qualquer forma, a sinequia vulvar não afeta o desenvolvimento sexual ou fertilidade.

Fica a dica .

Tosse de cachorro : como tratar?

Você acorda no meio da noite e descobre que o resfriadinho do seu filho virou uma tosse horrenda. A criança chora assustada e o barulho fica mais intenso e parece que vai faltar o ar. Sim , a laringite pode assustar e muito .

A laringite afeta principalmente crianças de 6 meses a 3 anos, principalmente com mudanças bruscas do tempo. As épocas de maior ocorrência são o outono e o inverno.

A inflamação da laringe ocorre durante uma infecção por vírus e é transmitida por contato direto através da saliva, tosse, fala e respiração. É uma doença viral relativamente comum , caracterizada pelo surgimento súbito da “tosse de cachorro” .

A tosse é muito característica, e se parece mesmo com o latido de um cachorro, ou às vezes com o som emitido por uma foca. Ela surge na maioria das vezes no meio da noite. Na maioria dos casos, no entanto, a doença é menos grave do que parece. A criança também pode ficar rouca e ter febre baixa.

O choro da criança piora a situação, por isso o melhor é tentar acalmá-la e ajudá-la o mais rápido possível.

O consolo é que a laringite costuma ser pior nas duas ou três primeiras noites, e normalmente vai embora sozinha depois de uma semana.

Como se trata a laringite?

Como a laringite é causada por vírus, não adianta dar antibiótico. Mas dá para aliviar bem os sintomas com soluções caseiras:

• Ligue o chuveiro na temperatura mais quente possível e feche a porta do banheiro, transformando-o numa “sauna”.

• Entre no banheiro com a criança e fique lá pelo menos 15 minutos. O vapor vai ajudar a amenizar a tosse e talvez ela consiga dormir de novo.

• O uso de inalação com soro fisiológico também podem ajudar.

• Mantenha a criança no seu colo – quanto mais calma , mais fácil fica para respirar , a tosse melhora e o desconforto diminui.

Quando preciso procurar o médico?

Se você estiver assustada, com a impressão de que a garganta do seu filho vai fechar, leve a criança ao pronto-socorro. Procure atendimento rápido se a criança estiver fazendo muito barulho para respirar mesmo em repouso. Esse barulho ocorre quando ela inspira, e é chamado de “estridor laríngeo” — um sinal de alerta.

Salivação excessiva pode ser também um sinal de alerta para uma doença mais grave, causada por bactérias, chamada epiglotite .

Mas atenção ! Criança dormindo pode ter “ronco” ao respirar e isso NÃO indica laringite . O desconforto respiratório não permite uma criança continuar dormindo !