10 formas de acabar com a cólica do bebê

Vou listar algumas das técnicas e medicações mais eficazes no combate a cólica do bebê .

Técnica da vovó

1. Funchicória : medicação homeopática a a base de flores de erva doce ,folhas de chicória e raiz de nabo. Não atua na origem da cólica , mas acalma o bebê com o seu sabor adocicado.

2.Cueiro : Ao envolver o corpo do bebê como se fosse um pacotinho, o cueiro proporciona uma sensação de aconchego e segurança e diminui a irritabilidade e a agitação da criança. Confesso que fiz muito pacotinho nos meus filhos e funciona mesmo : o bebê fica muito mais calmo.

3. Colo: Pegue o bebê no colo e tente o contato direto da barriga do bebê com a barriga da mãe ou do pai. Flexionar as coxas do bebê sobre a barriga torna a posiçãomais confortável.

4. Massagem : massagem em movimentos circulares e o movimento de “pedalar” ( pega as pernas do bebê e flexiona sobre o abdome) ajudam o funcionamento do intestino , liberando os gases e reduzindo a cólica .

5. Banho morno : Banho morno ou compressas na barriga podem auxiliar na redução da cólica/choro. Relaxa e acalma . O babytub ( ofurô ou banho no balde ) alia posição e temperatura e sendo a melhor opção.

REMÉDIOS POR FAVOR !

6. Simeticona : conhecido como Luftal ou Flagass, agem no intestino, rompendo as bolhas que retêm os gases facilitando a sua libertação e por isso diminui a dor. São seguros e podem ser administrados no recém nascido.

A simeticona não é absorvida pelo organismo, por isso não ha risco de reações adversas e efeitos colaterais. É mais eficaz quando utilizado em conjunto com outra medicação.

7. Antiespasmódico: o Buscopan age na motilidade intestinal , proporcionando alívio na dor . Em bula , consta que crianças até 3 meses podem usar uma dose de 1,5 mg por quilograma de peso corpóreo , repetidas 3 vezes ao dia.

8.Lactobacilos : medicação conhecida como Colidis , composto pelo Lactobacillus reuteri é um próbiótico e atua na prevenção da cólica , não na dor. Seguro e sem efeitos colaterais, ainda ajuda nos casos de constipação.

9.Enzimas : medicação conhecida como Precol, facilita a digestão do leite através de enzimas que desagradam parte do leite. Não possui contra indicação.

10. Colic calm : Esse remédio é um fitoterápico que contém nove ingredientes naturais com propriedades que aliviam as cólicas do bebê. É aprovado pela FDA (Food and Drug Administration) e tem recomendação da AAP (Academia Americana de Pediatria) como . É considerado seguro e livre de corantes e sem efeitos colaterais.

Meu bebê não arrota e agora … pode dormir ?

O arroto do bebê é uma dúvida muito comum, principalmente para as mamães de primeira viagem. Mas, será que a criança precisa arrotar após todas as mamadas?

Arrotar é uma forma do bebê liberar o ar que engoliu junto com o leite durante a mamada. Isso pode acontecer, por exemplo, por uma pega não eficaz. Quando há uma boa oclusão entre a boquinha do bebê e o seio materno, a criança não engole ar e por isso, não terá ar para arrotar.

Bebês que fazem uso de mamadeira engolem mais ar durante a mamada , o que pode evitado com o uso de mamadeira anticólica.

Isso acontece por que o bebê não consegue regular o fluxo de leite da mamadeira. Quando a mamadeira está na boquinha do bebê, o leite continua descendo, mesmo sem ele estar sugando. Na pressa de engolir o leite, ele acaba engolindo ar. Já quando se alimenta ao seio, o fluxo de leite consegue ser regulado, pois o leite só desce quando o bebê suga.

Alguns bebês dão sinais de que precisam arrotar. Por exemplo, se o seu filho ao decorrer da mamada para de ingerir leite e começa a chorar recusando o outro seio, este pode ser um sinal de que engoliu ar e está sentindo algum desconforto e por isso precisa arrotar. Outro sinal recorrente são as caretas, geralmente elas aparecem por esse motivo, quando são deitados logo após o término da mamada.

Entretanto, não é uma regra que o seu bebê precisa arrotar depois de mamar. Este fato varia de bebê para bebê, cada um com a sua individualidade. Existem bebês que arrotam frequentemente e outros quase nunca, isso é normal.

Bebê que não arrota tem mais cólica?

Quando o bebê engole ar, ele se sente satisfeito antes mesmo de suprir a sua real necessidade nutricional, pois este ar está ocupando o espaço que deveria ser do leite. E este não é o único problema, o ar engolido pelo bebê pode gerar desconforto e cólicas .

O que fazer depois de mamar?

Após a mamada , segure o bebê por cerca de 5 a 10 minutos , na posição vertical ( de pé ) . Mesmo que ele não tenha arrotado , você pode colocá-lo no berço , mas sempre de barriga para cima .

O bebê deve ser mantido nesta posição após as mamadas somente até os 6 meses . A partir desta fase , a criança já tem maior coordenação da respiração e deglutição e a postura mais ereta e o arroto não ocorre mais .

Bebês em aleitamento não arrotam

Bebês em aleitamento não arrotam porque a anatomia entre o peito da mãe e a boca do bebê é perfeita, se encaixando de uma forma que dificulta a entrada de ar se mamãe e bebê estiverem em posição correta. Mas é muito comum regurgitarem após a mamada e isso não indica refluxo . Apenas uma imaturidade do sistema digestivo que irá melhorar com o tempo.

Muitos bebês mamam e dormem logo em seguida, de forma confortável e tranquila . Se isto acontecer, provavelmente ele não precisa arrotar porque não engoliu ar durante a mamada.

Quando devo colocar o bebê para arrotar?

Sempre que você perceber desconforto. Não precisa parar as mamadas de tempos em tempos para colocar para arrotar, apenas deixe que o bebê mame tranquilamente o quanto precisa de leite e depois observe se ele esta confortável.

Se não estiver, coloque o bebê para arrotar.

Posso continuar dando o peito depois que o bebê arrota?

Sim. O fato do bebê arrotar não significa que ele esteja satisfeito, apenas que ele liberou o ar em excesso. Portanto, se ele quiser mamar mais depois de arrotar, tudo bem.

As vezes o bebê precisa arrotar mesmo quando não se alimentou

Sim, chorar faz com que o bebê também engula ar. Se você notar que ele esta desconfortável, tente levantá-lo um pouco ou mudá-lo de posição para ver se ele não precisa arrotar.

Seu bebê é high need?

O seu bebê não fica calmo por muito tempo, permanece acordado até altas horas da madrugada e dá até medo dos vizinhos chamarem a polícia do tanto que ele chora? Além disso, quer colo a maior parte do tempo, parece estar sempre irritado e quer mamar o tempo todo? Essas são algumas características clássicas de um bebê high need.

Especialmente nos primeiros meses, esses bebês agitados podem virar a rotina da casa e ser um desafio para os pais e pediatras .

O termo high need pode ser traduzido como “grandes necessidades” ou “alta demanda”. Isso significa que um bebê high need é aquele que parece exigir muito mais energia e atenção dos pais e cuidadores do que costuma acontecer. 

SERÁ QUE O MEU BEBÊ É UM HIGH NEED?

As características em comuns nessas crianças são: choro frequente e é muito difícil consolá-lo ( sem causa aparente), reações intensas de alegria e descontentamento, dorme pouco e acorda muitas vezes à noite , irritadiço mesmo quando no colo da mãe.

Se o seu bebê tem esses sintomas , mas não tem nenhum problema de saúde aparente nem está passando por momentos que podem causar estresse, como mudanças de rotina e saltos de desenvolvimento, pode ser que ele seja um high need. E aí, o que fazer?

Bem, de acordo com os especialistas, um bebê de alta demanda não tem nenhum problema mais grave, apenas é mais sensível ao ambiente, o que pode deixá-lo superestimulado com frequência. Além disso, ele tem uma personalidade mais intensa e imprevisível, assim como algumas crianças são muito tranquilas.

O QUE FAZER ?

Paciência e muita paciência. Cada criança é única e o seu filho tem grande necessidade de atenção e com certeza tudo isso vai melhorar em alguns meses . Mas eu separei algumas dicas para você:

● Evite mudanças bruscas na rotina, tente estabelecer um ritual de sono, deixando o quartinho o mais tranquilo possível. Porém, o mais importante é tentar entender o que dá certo com o seu filho especificamente, já que bebês de alta demanda são imprevisíveis e o que dá certo para um pode não funcionar para outro.

● Para suprir a necessidade de atenção do seu pequeno, talvez seja uma boa acostumá-lo com um objeto de transição que pode ser desde uma “naninha” a um ursinho de pelúcia. Assim, mesmo que ele acorde e você não esteja por perto, pode se sentir mais seguro ao notar que aquele objeto tão familiar ainda está ali.

● Para as mamães que podem contar com alguém ao seu lado, é essencial tentar dividir as tarefas sempre que possível para que não haja uma sobrecarga emocional e prática. Além disso, vale a pena contar com uma rede de apoio. Família, amigos, profissionais: se tiver com quem contar, não se sinta constrangida em pedir ajuda.

● Se for possível, os pais podem combinar de se revezar para garantir uma “folga” semanal ao outro. Por exemplo, um na terça e outro na quinta à noite. Nesses momentos, aproveite para dedicar um tempo somente a você para recarregar as energias.

● No dia a dia, por maior que seja o cansaço físico e emocional, procure manter a calma e a tranquilidade. Não se esqueça de que as crianças são verdadeiras esponjas emocionais : pais nervosos , bebê nervoso .

Enquanto estamos vivendo uma fase exigente, é normal pensarmos que as coisas nunca voltarão à tranquilidade de antes, mas a realidade é bem diferente. Lembre-se de que a primeira infância passa em um piscar de olhos. Ter em mente que esse momento desgastante é passageiro é essencial para manter a calma e a paciência.