Meu filho parou de comer. E agora?

Aquele bebezão que comia de tudo agora com 2 aninhos não quer mais saber de comer direito ? Rejeita tudo e você já apelou para a vitamina e até o Biotônico mas nada parece dar certo?

Fique tranquila. É só mais uma fase!

Entre 1 e 5 anos de idade muitas crianças apresentam um ganho de peso de somente 2 a 3 quilos por ano mesmo tendo ganho cerca de 7 a 8 quilos no primeiro ano de vida. E por isso parece que seu filho nunca sai dos “13kg” .

Isso ocorrer porque, uma vez que elas não crescem tão rápido nesta fase , a necessidade de calorias é menor e por isso aparentam ter uma diminuição do apetite. Sim, aparentam, porque na verdade , elas estão comendo o suficiente.

E não adianta apelar para o remédio de apetite ou vitamina : a quantidade que uma criança decide comer é determinada pelo centro de apetite no cérebro portanto, comem a quantidade necessária para o crescimento e gastos.

Confie no centro do apetite de seu filho. A razão mais comum para algumas crianças aparentarem não sentir fome é que a oferta de snacks , mamadeira e guloseimas é tanta que nunca sentem realmente fome. Por isso é tão importante mater as refeições em horários definidos, a cada 3 hs .

Ofereça a seu filho duas guloseimas nutritivas por dia, no máximo, e somente se ele pedir. Se seu filho sente sede no intervalo das refeições dê água para aliviar a sede e não suco ou mamadeira . Limite a ingestão de sucos para no máximo 200 ml por dia e deixe seu filho uma ou duas refeições sem comer, caso deseje, então observe o retorno do apetite. Perder uma refeição nãoéo fim do mundo.

VAMOS PARA MAIS DICAS ( E QUE FUNCIONAM MUITO MAIS DO QUE QUALQUER REMÉDIO)

• Não brigue ou ameace . O tempo das refeições deve ser agradável e não uma guerra.

• Deixe comer com a mão e fazer sujeira a vontade: comece a oferecer alimentos na mão de seu filho aos 6 ou 8 meses de idade, tais como frutas, biscoitos, legumes que permitem que se alimente, mesmo antes de ser capaz de usar uma colher. O erro mais comum é pegar a colher ou garfo da criança e tentar colocar comida na boca dela e as vezes sob ameaça.

Limite a ingestão de leite a cerca de 500 ml por dia : leite é tão calórico quanto a maioria dos alimentos sólidos. Beber leite demais pode suprimir o apetite, principalmente se oferecido próximo ao horário do almoço e jantar

Sirva pequenas porções , bem menores do que aquelas que o seu filho irá comer : o apetite de seu filho é suprimido se for servido mais do que ele é capaz de comer ( estranho não é mesmo ?). Se servir a seu filho uma pequena quantidade de alimento em um prato grande é mais provável que ele termine de comer e tenha um sentimento de cumprimento do dever. Se quiser mais comida, espere que peça.

Torne o horário das refeições agradável : atraia seu filho para conversas durante a refeição. Evite a transformação da hora das refeições em momentos de discussão ou em uma sessão de tablets e celulares.

Não prolongue o horário da refeição : bastam 40 minutos de espera. Não force a se sentar à mesa após toda a família já ter se alimentado.

12 dicas para seu filho deixar de ser magrinho

Criança magrinha dá trabalho.Qual mãe não enlouquece quando a filha não come?Como oferecer calorias sem prejudicar a saúde?

A hora da refeição é quase uma guerra entre vocês ? A família inteira comenta como ele está magrinho e, na escola, a diferença em relação aos colegas é evidente.Já usou vitaminas , suplementos e receitas (incluindo o tal do Biotonico) e não adianta: o peso ideal parece uma conquista cada vez mais distante da criança.

O problema é que essa situação pode prejudicar e muito o desenvolvimento infantil, tanto na escola quanto nas atividades do dia-a-dia.

O peso inadequado tem tudo a ver com a alimentação que, certamente, precisa de ajustes. Mas isso não significa, necessariamente, mexer na quantidade dos alimentos oferecida à criança

Como saber se o peso está adequado?

Existem uma infinidade de tabelas , então eu encontrei uma forma ( simples ) de fazer a avaliação.

O que fazer?

Dicas da pediatra

1. Refeição sem telas : não use televisão , tablets ou celulares . A distração destes eletrônicos não ajuda , só prejudica.

2. Rotina : mantenha um horário fixo para as principais refeições , almoço e jantar , mesmo aos finais de semana!

3.Atividade física : quem faz exercício tem mais apetite ! Além do fato que ao fazer uma atividade física você aumenta a massa muscular e consequente o peso e reduz a massa de gordura.

4. Suspenda as guloseimas : tiram o apetite e dão uma ” forrada” na barriga , diminuindo a quantidade de alimentos saudáveis . Mamadeira em excesso também conta como guloseima , principalmente adoçada com achocolatado , açúcar ou farinhas .

5. Dê o exemplo: se os pais se alimentam adequadamente , com almoço e jantar nos horários corretos e com uma boa variedade de frutas e verduras , a criança terá maior facilidade em adquirir hábitos saudáveis . Não faça dieta restritiva sem lactose ou sem glúten se você não tem problema de saúde .

6. Não dê vitaminas : o excesso de vitaminas tem efeito contrário , diminui o apetite. Lembre-se que a criança engorda porque come , não porque a vitamina engorda!

Dicas da nutricionista

1. Aumente a caloria dos alimentos :para aquelas crianças que comem em pouca quantidade, acrescentar 1 colher de chá de óleo vegetal ou azeite na refeição! O óleo auxilia no aumento do aporte calórico e consequentemente no ganho de peso.

2. Ofereça alimentos calóricos : o abacate 🥑 é uma fruta rica em gorduras de boa qualidade, pode ser ofertado a partir da Introdução Alimentar (depois de 6 meses) e em preparações salgadas e doces. Pasta de amendoim , geleias são ótimos acompanhamentos com pães e bolos.

Evite usar a famosa ” sopa da mamãe” : muitas mães fazem uma sopa com muitos legumes como uma forma de melhorar a dieta . Ela da saciedade e não ajuda no ganho de peso , pois a criança ingere muito líquido e pouca caloria. Procure usar purês ou no caso da sopa , acrescentar leite no lugar da água ou macarrão e pães.

3. Use grãos: castanhas, nozes, amêndoas, amendoins ,possuem boas quantidades de calorias e também proteínas; uma dica é triture as oleaginosas e acrescentem em iogurtes naturais fica delicioso 😊

4. Tempere os vegetais: com azeite ou prepare os mesmos na manteiga, lembrando que 1 colher de café do azeite está de boa quantidade para os pequenos. O sabor fica mais agradável e as crianças gostam mais de alimentos cozidos do que cru.

5. Substitua o açúcar refinado por mel: mas cuidado: o mel só deverá ser ofertado para crianças maiores de 1 ano e o açúcar após 2 anos.

6. Faça vitaminas : leite batido com banana ou abacate com mel são ótimas opções. Faça disso o seu “milk shake” especial.

Leia sempre as informações nutricionais dos produtos oferecidos para crianças.Respeite horários e a saciedade dos pequenos, alimentar-se bem é assunto sério e bons hábitos alimentares se formam na infância e através de bons exemplos😘.

Dieta não é somente para perder peso! É qualidade de vida e saúde!

Agradecimento a especial para nutricionista :Daniele Suart Hara CRN 24592;especializada em nutrição Materno Infantil e ADM de UANe Gastronomia.

Se perguntado da maneira certa, as crianças vão escolher brócolis em vez de bolo

Faça o teste e me conte: Se perguntado da maneira certa, as crianças vão escolher brócolis em vez de bolo. Mas antes de fazer a pergunta, leia as instruções:

Uma das principais queixas das mães nos consultórios é a de que o filho não come nada, que rejeita praticamente tudo, chora ou faz birra diante do prato. Diante disto , o horário das refeições vira um verdadeiro campo de batalha , desgastante, misturando o desespero da mãe , pela criança não se alimentar adequadamente , com o medo do filho , que é alvo de ameaças .

No Brasil, as dificuldades para comer atingem mais de 50% das famílias .

Um estudo feito por uma universidade brasileira analisou o comportamento dos pais ao oferecer as refeições aos filhos . Cerca de 96% dos pais dão ordem para conduzir a alimentação , isto é , mandam ( na verdade obrigam sob forte ameaça ) seus filhos a comer o alimento .

Mas atenção : este tipo de comportamento pode levar a uma verdadeira aversão do pequeno à comida. Se os pais forçam ou impõem algum alimento, a criança começa a associar alimento com castigo e brigas. Aí , é só chegar com o prato que a criança já sai correndo.

Como evitar isso ? Ora , certamente devemos reavaliar certos erros que cometemos na hora das refeições dos nossos filhos . Veja :

“Você só vai sair da mesa se comer tudo o que está no prato”

A criança pode estar satisfeita com uma quantidade menor do que a colocada no prato. Forçar a terminar tudo nem sempre é necessário , principalmente se você colocou alimentos que não agradam , como as verduras.

Essa estratégia pode ter um efeito imediato, mas é danosa para o desenvolvimento do paladar da criança e pode criar traumas que se estendem para a adolescência e vida adulta – “odeio brócolis porque meu pai me obrigava a comer” / “não posso ver beterraba que dá vontade de vomitar”.

“Se você comer tudo ganha uma sobremesa”

Esse tipo de barganha não é legal pelo simples fato de que alimentação não pode ser vista como uma punição a ser recompensada. Essa estratégia pode prejudicar o controle da fome e saciedade e, a longo prazo, levar a obesidade.

O melhor é explicar que as verduras são importante fonte de vitaminas, que elas o ajudarão a crescer de forma mais saudável. Eu costumo dizer que faz o cabelo crescer mais bonito ou deixará mais alto e mais forte que os coleguinhas .

“Olha o aviãozinho”

Essa frase é tão exaustivamente usada que se tornou um clichê para a hora da alimentação infantil. Fazer gracinha na hora da comida e esperar a boca abrir para enfiar a colher goela abaixo certamente não faz bem.

A criança distraída com tablets ou brinquedos não associa o horário da alimentação com o que está sendo oferecido .

Dicas de ouro

A hora da refeição deve ser prazerosa : a criança deve ficar feliz é ter uma expectativa sobre qual alimento será oferecido desta vez . Se você grita ( “come tudo!“) , ameaça (” senão comer vai ficar doente e tomar remédio “) ou bate , a hora passa a ser de tortura , para você e para a criança .

Não force . Se estiver sem paciência , dê um intervalo e ofereça mais tarde . Divirta-se e nunca faça isso com pressa . É um tempo de carinho , reservado para vocês e irá refletir muito no dia a dia com o seu filho.

Você sabia que a escolha do que a criança quer comer depende muito de como a mãe faz a pergunta ? Pois é , é até difícil de acreditar, mas eles afirmam que isso tem menos a ver com as preferências do seu filho e mais com a ordem em que as escolhas são apresentadas.

Se perguntado da maneira certa, as crianças vão escolher brócolis em vez de bolo, diz estudo

“Você gostaria de bolo ou brócolis?”. Se você fizer essa pergunta a uma criança com menos de 3 anos, os pesquisadores são capazes de apostar que oito em cada dez vão responder “brócolis”.

Quando uma criança está apontando , eles podem ver as opções e escolher sua preferência . Já quando eles não têm referências visuais e só ouvem ‘ou’, elas são capazes de manter a opção mencionada mais recentemente, a última palavra da frase que acabaram de ouvir . As crianças entendem como a fala soa, mas não necessariamente o que as palavras significam. Então, ao falar, eles estão apenas repetindo a escolha mencionada mais recentemente, como ” brócolis “.

O estudo demonstra a importância de trocar a ordem das opções quando perguntamos às crianças sobre suas preferências, porque elas nem sempre sabem o que estão dizendo ou desejando .

Entendeu ? Fica a dica !

Remédio para apetite pode ter efeitos colaterais

“Meu filho não come ” – Essa é uma queixa muito comum no meu consultório e infelizmente , não é algo rápido e fácil de se resolver .Muitos pais têm visto nos estimulantes de apetite uma forma rápida e acessível de fazer com que ganhem peso, sem precisar travar uma batalha toda vez que se sentam à mesa. Basta comprar e dar a criança , que um apetite de leão irá devorar tudo e qualquer tipo de refeição .

Veja , a diminuição no apetite das crianças é comum , principalmente aos 2 anos de idade, onde ela está mais seletiva. Durante essa fase ela negará alguns alimentos que antes aceitava tão bem , pois o seu paladar está mais aguçado. A criança sabe o que deseja comer , procurando por alimentos mais saborosos e pelas guloseimas ( quem irá comer maçã se existe o tal do chocolate , não é mesmo ?).

O outro motivo que pode ocasionar a falta de apetite em crianças é quando estão doentes ou na erupção dentária . Criança doente não tem apetite e isso não é exclusividade delas . É uma defesa do organismo e forçar a alimentação não trará nenhum resultado , com ou sem uso de polivitamínicos .

Utilizar um forma rápida para aumentar a ingestão de alimentos parece tentador , mas será segura e necessária ?

O que são os estimulantes de apetite?

São os populares remédios para engordar. Existe uma variedade deles no mercado e cada um tem sua particularidade.Sua função é a de aumentar o apetite e, dessa forma, no ganho de peso. Os fortificantes são, em sua maioria, compostos por vitaminas como as do complexo B (B1, B2, B3, B6 e B12), minerais como ferro, cálcio e fósforo e, alguns com aminoácidos (arginina, glutamina, lisina, triptofano).

Os estimulantes de apetites não são substâncias inocentes e podem, sim, provocar efeitos colaterais perigosos se ingeridos sem necessidade.

Podem ter efeitos colaterais

Os efeitos colaterais mais comuns são sonolência, distúrbios do humor e a perda da capacidade de concentração que, por sua vez, podem levar ao mau desempenho escolar ou no ambiente de trabalho.

A ingestão frequente e sem cuidado pode sobrecarregar órgãos como o fígado . É por isso que não é raro crianças apresentarem intoxicação pelo consumo de estimulantes de apetite. Portanto, deve-se sempre consultar um médico antes do uso!

Como estimular o apetite sem utilizar esses medicamentos?

A avaliação de um pediatra ou nutricionista será fundamental para resolver um mau hábito ou excessos , como o uso recorrente da mamadeira para substituir uma refeição . Mas eu separei algumas dicas que vão te ajudar no processo :

• Dê o exemplo. Forçar não resolve! Estabeleça horários e insista juntamente com seu próprio exemplo;

• Não faça o que a criança quer comer e sim o que ela precisa .As refeições devem incluir verduras e as crianças devem ser estimuladas diariamente a provar novos alimentos ;

• Convide-as a participar do preparo. Acompanhar todo o processo aumenta a curiosidade e interesse pelos diversos alimentos;

• Reduza o número de mamadeiras , principalmente antes das refeições ;

• Ofereça pratos visualmente atrativos: colorido, desenhos com os alimentos, tendo sempre frutas, legumes e verduras em casa, mesmo as que eles digam que não gostam;

• Atividade física é uma ótima forma de aumentar o apetite ;

• Evite comer na frente da televisão ou computador e não ofereça nem permita beliscar antes das refeições.

Meu filho não come ! O que fazer ?

Apesar da epidemia de obesidade infantil, uma das principais queixas das mães nos consultórios pediátricos é de que a criança não come nada, rejeita praticamente tudo, chora e faz birra.

No Brasil, as dificuldades de comer atingem mais de 50% das crianças , principalmente na faixa etária de 2 a 3 anos . Nesta fase , há uma desaceleração do crescimento, provocando uma redução do apetite quando comparado aos 2 primeiros anos de vida .

Além da menor velocidade de crescimento , a partir dos 2 anos a criança passa a impor suas vontades e seus desejos . Surge a “neofobia” , o medo do novo , medo do alimento o qual a criança não está acostumada .E é assim que as crianças vão limitando suas preferências até chegar ao “menu infantil”.

Cabe aos pais expandir esse menu e evitar que se torne mais restritivo : meu filho aceita bem macarrão , então todo dia eu tenho que fazer , caso contrário ele não irá comer.

Você sabe que, no dia do macarrão, a criança come contente, e no dia da lentilha ou do peixe, come menos e fica com uma cara emburrada. Não é preciso brigar, não é preciso insistir, nem prometer, nem distrair, nem enganar, nem meter-lhe a colher na boca. Deixe que coma o que quiser, ou que não coma, se não quiser. Uns dias comerá mais, em outros, menos. Como todo mundo.

O que fazer?

Pequenas atitudes diárias podem auxiliar seu filho a aprender a comer com prazer e na quantidade certa. Veja :

1. Ser mãe é diferente de ser empregada: partir do momento em que ofereceu pelo menos quatro variedades alimentares, nada de se levantar da mesa para preparar algo especial, muito menos no meio da noite. A criança come o que tem na mesa .Não estamos em um restaurante!

2. Assuma o comando : se a criança identificar o seu desespero e ansiedade para que ela coma, usará isso a seu favor. Você é a mãe . Você decide o que ela precisa comer .

3. Sem prêmios : Nada de oferecer recompensas doces cada vez que seu filho come um alimento . Evite associar o doce às refeições . Caso contrário a criança passa a associar comida com prêmio .

4. Sem tablets e celulares a mesa : Não recorra a objetos como tablets, brinquedos, televisão como formas de distração nesse momento. É importante que seu filho aprenda a se alimentar prestando a atenção no que está ingerindo, aprendendo a identificar seu sinal de saciedade.

5. Sem brigas : Nada de forçar ou pressionar seu filho a comer um determinado alimento em que ele se recusa . Não ameace ( vai ficar doente assim ) ou grite (come ou vou enfiar na sua boca ) – esse momento deve ser prazeroso . Se você estiver sem paciência ou nervosa , troque de ligar com o pai ou uma tia .

6. Sem mamadeira : não troque ou ofereça uma mamadeira se o seu filho não comeu . Esse sem dúvida é o meio erro de todas as mães : leite não substitui comida . Mas meu filho vai ficar sem nada ? Não ! Ninguém irá morrer de fome com tanta comida na mesa e no prato – se não comeu , ofereça o mesmo prato em outro horário .

7. Nada de snacks entre as refeições : oferecer pedacinhos de frutas e bolachas só vai diminuir o apetite da criança e ensiná-la a conseguir o que deseja : guloseimas . Comer brigadeiro e bolacha é bom. Não dá para comparar com a abobrinha ou beterraba , não é mesmo ?

Seja paciente . Persista . Essa fase vai passar .

Fica a dica .

10 dicas para o seu filho comer bem (sem brigas)

Queixa frequente entre as mães , cerca de 50% das crianças têm problemas de alimentação , são seletivas , demoram para comer, muita briga e lá vem o desespero das mães….Vai ficar doente assim!

Antes de mais nada, é preciso ficar claro: comer bem não significa comer muito, e sim de forma equilibrada. Parece simples, mas é aí que mora o desafio. Enquanto algumas famílias se queixam de que o filho não gosta de nada, outras contam que ele recusa vários alimentos, mas devora exatamente as mesmas comidas todos os dias. A alimentação infantil é mesmo cheia de questões.

10 passos para seu filho comer bem

1- Não (o) brigue :

Ajude seu filho ou filha a criar uma ligação saudável com a comida desde bebê. Para tanto, não use alimentos (doces ou salgados) como método de castigo, pressão ou prêmio, porque esses comportamentos podem criar associações perigosas na cabeça de crianças.

O horário das refeições deve ser prazeroso , não um palco de punições e ameaças .

2- Rotina :

Criança precisa de rotina.Fixar o mesmo horário das refeições durante a semana e aos finais de semana ajuda , muito.Respeite o horário delas , você se adapta a elas e não o contrário.

O organismo adapta-se as rotinas – naquele horário das refeições o cérebro irá iniciar a liberação de suco gástrico , dando aquela sensação de fome . Todo o corpinho estará na espera pelo alimento , facilitando muito a aceitação .

3- Variedade:

• As crianças aceitam ou rejeitam as coisas de acordo com o momento. Quando ela recusar a comida, ignore e ofereça de novo mais tarde. Outro segredo é variar no preparo. Exemplo: sirva a cenoura crua, cozida ou ralada .

• Invista em alimentos miniatura, pois fazem com que as crianças sintam que aquilo foi feito só para ela , como mini legumes (cenoura baby ) ou ovinhos de codornas por exemplo, tendem a agradar bastante.

• Apresente formas inusitadas. Não precisa fazer carinha na comida 😜, mas no meio da semana , faça um espetinho de carne ou de legumes , ou que tal uma pizza de frigideira com legumes? Abuse da criatividade.

4- Ponha a mão na massa :

Mãe que cozinha geralmente o filho come melhor. Não precisa virar uma chef de cozinha , apenas coloque a criança na preparação de alguns alimentos . Comece com saladas , lanches e bolos .

5- Seja o exemplo:

Se os pais não comem frutas e verduras porque seu filho será diferente? Eles se espelham no nosso comportamento. Coma uma verdura com a mesma voracidade de um doce ! Isso despertará o interesse da criança .

As porções devem ser pequenas , mais ou menos do tamanho do punho fechado da criança !

6-Socialize-se :

Chame os amigos da escola ou do prédio na hora das refeições , pois sentar com outras crianças ajuda muito. Elas ficam curiosas em experimentar novos alimentos quando observam os outros.

7- Não troque leite por comida:

Não ofereça nenhum alimento ou mamadeira antes das refeições principais ( almoço e jantar) , pois irá reduzir o apetite: ” Meu filho não come , mas pelo menos bebe leite” é um mito comum na cabeça dos pais.

Após os 6 meses de idade o leite , materno ou não , deixa de ser a principal refeição da criança , pois ela necessita de outros nutrientes e em uma quantidade maior para manter seu aporte energético.

É comum uma criança que não come bem tomar mamadeira com algum engrossante ( farinha láctea , mucilon ou sustagen ) em uma tentativa de aumentar o peso ou oferecer mais vitaminas . Minha opinião : não funciona . Tente reduzir ao máximo a mamadeira , principalmente durante o dia , e tenhas planos de suspender a mamadeira da noite também .

8- Desligue os eletrônicos ,inclusive a tv:

Evite distrações durante as refeições (dê de comer em um local tranquilo). Dar comida com a criança andando , assistindo tablet ou tv faz com que ela não perceba que naquele horário , ela precisa se concentrar na mastigação e comer .

Limite o tempo :15 minutos para começar a comer , 25 minutos para terminar. Quando focada no que está fazendo , o trabalho rende mais e é mais rápido , não é mesmo ?

9- Faça das refeições um evento família :

Mas eu trabalho fora o dia todo! Ora , fique tranquila , não precisa ser toda refeição , mas sem dúvida os pequenos comem melhor quando os pais estão na mesa .

Conte com a ajuda dela para montar o cardápio da semana. Peça a ela para escolher um prato e os pais escolhem outro. O mesmo vale para quando a família vai a um restaurante: a mãe pode sugerir que ela escolha o prato do filho e o filho escolhe o dela

10- Regra das 5 cores:

Uma regrinha que funciona muito bem – todo prato deve ter 5 cores , pois assim oferecemos uma boa variedade de vitaminas em uma refeição.