Por que NÃO devemos dar Miojo Lamen as crianças ?

O sal na dieta aliado a baixa prática de atividade física , virou uma verdadeira “bomba-relógio” para a saúde das crianças .Na prática do consultório eu tenho presenciado um número cada vez maior de crianças e adolescentes com pressão alta . E isso realmente é preocupante !De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia , cerca de 10% das crianças e adolescentes têm pressão alta.

Você sabia que até o sorvete de chocolate tem sal? Sim! Não é preciso ter um gosto salgado para ser composto com esse ingrediente, introduzido na culinária pelo seu potencial de conservação . Esse é o chamado sódio oculto.

Meu filho adora Miojo, faz mal para saúde doutora?

Em muitos lares , o macarrão instantâneo ( Miojo Lamen) faz parte das refeições das crianças . Mas o que muito pais não sabem , é que ele pode sim, fazer muito mal à saúde .

Exames feitos com 10 marcas de “miojos” brasileiras mostrou que a maioria delas possuía mais sódio nos pacotinhos de tempero do que o necessário para um adulto no dia inteiro.

Segundo a Organização Mundial da Saúde a ingestão máxima de sal por dia deve ser de apenas 4 gramas por dia, o que equivale a uma colher rasa de café e cada embalagem de macarrão instantâneo traz pelo menos o dobro deste valor.

Ah , doutora ! Mas eu não uso o tempero , só o macarrão …

Embora a maior parte do sódio esteja no tempero pronto o próprio macarrão não é uma opção saudável e por isso a refeição apesar de rápida está cheia de aditivos, corantes artificiais e toxinas, como glutamato monossódico que prejudicam a saúde, à longo prazo.

O miojo é um alimento pobre em fibras e proteínas . Contém glutamato ( para realçar o sabor ) que está associado a alguns tipos de câncer e gordura hidrogenada , que pode levar a deposição de gordura nos vasos sanguíneos , elevando a incidência de infarto e derrames .

Opções rápidas e saudáveis podem ser realizadas com o macarrão comum , a base de farinha de trigo , com legumes .

Sintomas de excesso de sódio

O sal colabora para a retenção de líquidos no corpo e promove aumento da pressão . São doenças “silenciosas” – com pouco sintoma no início – o que prejudica o diagnóstico e o tratamento.

Para identificar o que acontece se comer muito sal, basta prestar atenção aos sinais do corpo: inchaço nas pernas, mãos e tornozelos, falta de ar, dores ao caminhar, pressão alta e retenção urinária.

Seja o exemplo

O conselho é dar preferência a alimentos não industrializados, que possuem uma menor número quantidade de sódio .O ideal é que, no preparo da refeição, não se adicione pouco sal.Se a criança é acostumada a refeições salgadas, seu paladar vai se adaptar a esse padrão.

A orientação para os pais é retardar e reduzir a oferta dos industrializados à meninada, tirar o saleiro da mesa e servir de modelo. São medidas que contribuem para criar um garoto que não vai depender tanto das pitadas de sódio para sentir prazer à mesa .

Incentivar um estilo de vida saudável e funcional entre todos os membros da família faz com que a criança perceba, por meio do exemplo, a importância de se preocupar com a própria saúde. Monitorar o ganho de peso, manter-se sempre dentro do peso ideal, praticar atividades físicas, consumir alimentos sem excesso de sal e gordura são alguns hábitos que garantem uma vida mais saudável, tanto para crianças quanto para adultos.

5 super dicas

1 .Evite comer fora com frequência, porque é impossível saber a quantidade de sal contida nos alimentos preparados nos restaurantes.

2- Não libere refrigerantes e outras bebidas doces diariamente. Restrinja o consumo a ocasiões especiais.

3- Toda criança adora salgadinho. Para não privá-las deste prazer, compre um pacote de vez em quando e divida-o para a semana toda. Assim, seu filho mata a vontade sem prejudicar a saúde.

4- Use a criatividade na hora de temperar os alimentos. Em vez do sal, invista em ervas e outros condimentos naturais, como o limão, por exemplo.

5- Se for fazer um lanche rápido para as crianças, evite os embutidos, como salsicha, presunto e hambúrguer. Prefira sempre o pão integral, que contém menos sódio, e aproveite para incluir alimentos que tenham valor nutricional, como alface, tomate, ovo cozido e algum queijo magro.

Fica a dica .

Seu filho come pouco ou o suficiente ?

Uma das maiores queixas das mães está relacionada com a quantidade de comida que seus filhos comem . O medo do “não ganho de peso” ainda é bem maior do que o excesso de peso .

Normalmente, as mães se preocupam com a falta de apetite e nunca com o excesso e por isso, fica mais complicado perceber que o filho está acima do peso e que algo precisa ser feito.

Se desprenda da quantidade de comida e se preocupe mais com o que vai oferecer nas refeições de seus filhos. Neste post, vamos descobrir quanto a criança tem que comer em cada refeição.

Como saber se é suficiente?

A quantia dos alimentos, são as crianças que determinam. Seu filho está se desenvolvendo bem? É ativo, brinca, foi na consulta do pediatra e cresceu, ganhou peso? Então a quantidade que ele come está sendo o suficiente para ele !

Existem bebês e crianças “magrinhos” que são super saudáveis e estão dentro da normalidade das curvas de crescimento.

O tamanho do estômago de uma criança de 1 a 4 anos de idade, corresponde ao punho de sua mão, sendo esta a razão pela qual sua mãozinha é a nossa referência perfeita para calcular as porções adequadas de alimentos.

Porções recompradas por grupos de alimentos :

• pão, massas, cereais e tubérculos : 1 punho da mão do nosso filho, que corresponde a uma porção de cereais, tubérculos, quinoa, arroz, trigo ou massas.

Uma fatia de pão ou 2 biscoitos são equivalentes a uma porção. Selecione um alimento deste grupo para servir em cada uma das refeições do seu filho.

• frutas e legumes : uma ou duas porções de frutas e legumes em cada uma de suas refeições, o ideal seria uma porção de frutas e outra de vegetais.

A porção deste grupo de alimentos não deve ser maior do que as suas mãos estendidas. Você também pode levar em consideração estas referências: uma maçã ou uma pera, meia xícara de hortaliças ou uma xícara de legumes correspondem a uma porção.

• leite, queijo e iogurte : uma porção desses alimentos no máximo 3 vezes por dia. Por isso atenção : ingerir muito leite não é sinônimo de saúde .

• carne, peixe, ovos, nozes e leguminosas: devem estar presentes 2 vezes por dia. Tenha em mente que um ovo, meia xícara de legumes cozidos equivalem à uma porção.

E a quantidade de carne ? O tamanho da palma da mão da criança equivale a 1 porção .

E o que não precisa , mas ele come : doces ( incluindo achocolatados e sobremesas lácteas ) , bolos, salgadinhos e bolachas devem ser fornecidos em ocasiões especiais, em quantidades reduzidas e com muita moderação.

Mas ele come tão pouquinho…

Pra criança comer, ela precisa sentir fome. Se você dá comida, petiscos ou frutas toda hora, quando chega o horário das grandes refeições (almoço e jantar), eles vão comer pouco.

Preste atenção se não está ocorrendo troca de refeições, o leite ( mamadeira ou peito) pela comidinha / papinha salgada.

Exemplo de cardápio

Quando você coloca essa variedade toda em um prato, o prato fica cheio, bonito e nutritivo. Caso seu filho não coma o prato inteiro todos os dias, não se preocupe e respeite a saciedade dele.

Saiba que muitas crianças comem menos que isso e são saudáveis, super saudáveis. Eu particularmente prefiro me preocupar com a variedade dos alimentos e com as refeições principais (almoço e jantar).

Fica a dica .

Receitas de papinhas laxativas

Muitas mães ficam completamente perdidas quando precisam preparar receitas de papinhas para soltar o intestino dos bebês.

Lembre-se de usar a sua criatividade , pois a papinha está muito além da banana amassada ou da maçã raspadinha ! Use e abuse de texturas , sabores e combinações de frutas ou legumes . Use a internet ao seu favor : ao invés de pesquisar sobre doenças raras no Google , faça uma boa busca de receitas e incremente o cardápio do bebê .

Papinha de fruta

Abacate com banana nanica

2 Colheres de sopa de abacate

½ Banana nanica pequena

1 Colher de sobremesa de farinha de linhaça

Modo de preparo

Amasse as duas frutinhas com um garfo e misture com a farinha. Sirva em seguida.

Papinha de ameixa com mamão e aveia

5 ameixas pretas sem caroço

1 fatia fina de mamão papaia

2 colheres de chá de farinha de aveia

Modo de preparo

Cozinhe por 10 minutos as ameixas

Amasse bem o mamão, depois que as ameixas estiverem bem molinhas amasse-as e misture-as ao mamão.

Acrescente as 2 colheres de aveia e mexa tudo.

Papinha de damasco com laranja

4 damascos secos

1/2 laranja lima

Modo de fazer

Retire as sementes da laranja junte com o damasco e bata no mixer com o máximo de bagaço que conseguir, até obter um creme. Sirva sem coar.

Ameixa com laranja lima e pera

5 ameixas secas sem caroço

½ pera

1 laranja lima

Modo de preparo

Cozinhe as ameixas por 10 minutos, ou até engrossar o caldo. Junte a pera raspadinha, não precisa ser ½ pera, pode ser menos, apenas pra que sejam aproveitadas as fibras. Retire as sementes da laranja lima e esprema em cima, até chegar à uma consistência não muito mole.

Papinha de pêssego e banana

Ingredientes:

• 1/4 de pêssego

• 1/2 banana prata

Modo de preparo:

Bata o pêssego no mixer e depois junte-o com a banana amassada, amasse tudo com o garfo até que as duas frutas fiquem bem misturadas.

Papinha salgada

Abóbora com espinafre e carne

1 colher de sobremesa de óleo vegetal

1 colher de chá de cebola picadinha

2 colheres de sopa de carne moída

2 colheres de sopa de abóbora cortada em cubos pequenos

2 colheres de sopa de espinafre picadinho.

Modo de preparo

Aqueça o óleo e refogue a cebola e a carne moída. Acrescente a abóbora e cubra com água, tampe a panela e cozinhe até que todos os ingredientes estejam bem macios e com um pouco de caldo. Junte o espinafre e cozinhe por mais 5 minutos. Amasse todos os ingredientes com um garfo e sirva.

Papinha de frango, cenoura, arroz integral e espinafre

1 colher de chá de óleo vegetal

1 colher de chá de cebola picada

1 colher de sopa de Arroz Integral, cru lavado

2 colheres de sopa de frango cortado em cubos pequenos

½ cenoura pequena picada em cubos

2 colheres de sopa de espinafre picado

Modo de preparo

Refogue a cebola, junte o frango, espere dourar um pouco. Em seguida acrescente o arroz integral e a cenoura. Cubra com água e cozinhe até que os ingredientes estejam todos macios. Junte o espinafre e deixe cozinhar por mais 5 minutos. Amasse todos os ingredientes com garfo e sirva.

Papinha de carne, vagem, alface e arroz integral

1 colher de chá de óleo vegetal

1 colher de sopa de arroz integral cru lavado

2 colheres de sopa de carne moída

2 vagens picadas

2 folhas de alface picadas, com os talos

1 colher de sobremesa de cebola picada em cubos

Refogue a cebola no óleo , junte a carne, misture por alguns segundos e acrescente a vagem e o arroz integral. Depois que estiver tudo bem molinho, junte o alface e deixe cozinhar por mais 5 minutos. Amasse todos os ingredientes com o garfo e sirva.

Papinha de carne, cenoura e ervilha

1 colher de chá de óleo vegetal

1 colher de sobremesa de cebola picada

2 colheres de sopa de carne moída

1 colher de sopa de ervilhas

½ cenoura pequena, picada em cubos pequenos

Modo de preparo

Aqueça o óleo, refogue a cebola, junte a carne moída e a cenoura. Acrescente a ervilha e deixe cozinhar até que todos fiquem bem macios. Amasse com o garfo e sirva.

Água e muita água

A água é essencial para o bom funcionamento do intestino e combate à prisão de ventre. Deixar um copinho anti vazamento (para não molhar toda a casa) sempre ao alcance do bebê e sempre oferecer líquidos é fundamental para que o bebê esteja sempre hidratado e seu organizamos em pleno funcionamento.

Chegou a hora da papinha!

Chegou a hora! O bebê já está com 6 meses e, além do leite materno, deve ingerir outros alimentos. Entre tantas opções, surge uma dúvida para mamães e papais: quais alimentos podemos oferecer para os pequenos?

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde) é recomendado que a introdução alimentar comece a partir dos 6 meses de idade, sendo que, até lá, a amamentação deve ser exclusiva e em livre demanda. No entanto, mesmo com a alimentação já estabelecida, é indicado que a amamentação continue até os 2 anos, ou mais.

A introdução alimentar deve ser feita de forma lenta e gradual, respeitando o desenvolvimento do bebê e a região onde vive. Começamos pelas frutas e depois acrescentamos legumes e vegetais, verduras e proteínas. É importante ressaltar que neste momento, respeitar o tempo, a aceitação e o apetite da criança, é fundamental.

Cada criança é única, portanto, evite comparações e, na dúvida, busque a ajuda de um profissional que possa auxiliar no processo.

Mas, e os suquinhos ?

Outra dúvida comum entre a família sobre a alimentação infantil, é em relação aos líquidos. Pode dar suco para os bebês? A partir de que idade? Entre 6 e 12 meses somente água, após esta fase, os sucos naturais são bem-vindos. Sempre em pouca quantidade dando preferência para fruta in natura .

Quais os métodos de introdução alimentar?

Além da tradicional papinha, hoje em dia, outros métodos de introdução alimentar têm ganhado popularidade. Vale lembrar que, no momento de escolher a melhor opção para o seu pequeno, é importante considerar os hábitos e a rotina da família e do bebê.

Papinha tradicional

Este é um método mais comum , passado de mãe para filha que envolve amassar os alimentos, no liquidificador ou no garfo, e oferecê-los em forma pastosa ao bebê.  Por meio das papinhas, é possível misturar diferentes tipos de alimentos, mas, por outro lado, a criança come sem saber ao certo o quê está comendo e as texturas ficam indiferenciadas, já que são as mesmas.

O BLW

O método BLW tem ganhado muitos adeptos.  Pensado e desenvolvido pela britânica Gil Rapley, este termo significa, em tradução livre, “desmame guiado pelo bebê” (baby-led weaning) e consiste em oferecer alimentos em pedaços ao pequeno, de modo que ele mesmo se alimente, de acordo com sua curiosidade, apetite e interesse.  Mas a quantidade que o bebê consome pode ser insuficiente para manter uma boa nutrição.

A Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda o uso concomitante das duas formas : tanto as frutas como a papinha de sal podem ter uso da papinha tradicional ( textura e sabores de fácil aceitação ) e do BLW ( estímulo à apreciação de diferentes texturas ).

Dicas na hora de comer

• É importante evitar distrações! Prefira sempre sentar à mesa, tornando o momento da alimentação um ritual prazeroso para toda a família. Afinal, se alimentar é mais do que ingerir nutrientes, é uma experiência social importante e, quanto mais prazeroso for esse momento, melhor será sua relação com a comida. Evite tablets e televisão .

• Atenção ao que vai à mesa: se você não deseja que seu filho coma determinados alimentos, evite consumi-los em casa – lanches , batata frita e refrigerante, por exemplo .

• Criança não passa vontade ! Não é porque a criança viu alguém comendo determinado alimento que ela precisa comer também. Evite alimentos gordurosos e adocicados – estimule o paladar mais saudável .

• Horário deve ser mantido mesmo aos finais de semana :

Café da manhã (7h00min) : leite materno ou mamadeira;

Lanche da manhã (entre 09h00min): purê de frutas com banana e maçã;

Almoço (12h00min): purê de legumes com batata-doce, abóbora e couve-flor;

Lanche da tarde (entre 15h00min): leite materno ou leite artificial;

Jantar (entre 18h00min): mingau de trigo;

Ceia (21h00min): leite materno ou leite artificial.

Por que o suco de frutas NÃO é recomendado pelos pediatras?

Tão natural oferecer suco de laranja lima para bebê a partir dos 3 meses correto ? A ideia é de que os suquinhos de frutas são os primeiros a fazer parte da nova dieta do bebê , por ser uma opção saudável para introduzir aos baixinhos o mundo dos vegetais, certo? Errado!

O problema é que a bebida é dada para os bebês no lugar da fruta in natura. E algumas mães chegam até a substituir a água ou uma refeição pelo mamadeira de suquinho . Foi a partir dessa constatação que, em 2012, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) resolveu incluir em seu manual de nutrologia a recomendação de evitar o consumo de suco a partir do sexto mês .

O suco é água misturada à fruta, que perde toda a fibra. Por esse motivo, o consumo dessas bebidas pode hipersolicitar o pâncreas da criança, aumentando os índices de açúcar no sangue, tornando maiores as chances de desenvolver diabetes e obesidade na idade adulta.

Ele não é proibido, mas seu consumo acaba sendo exagerado e adoçado. Muitas vezes, essa quantidade de açúcar é semelhante àquela presente nos refrigerantes.

O consumo da fruta in natura estimula a mastigação , com texturas e aromas diferentes , reduz o consumo de açúcar e tem uma boa quantidade de fibras , contribuindo para a saúde intestinal .

Segundo o Ministério da Saúde (2013), os sucos não devem ser utilizados como uma refeição ou lanche, especialmente durante a introdução alimentar, uma vez que a capacidade gástrica dos bebês é pequena.

Mas e se meu filho não aceita ?

É normal os pequenos fazerem cara feia ao estranharem o sabor ou a textura de uma fruta que estão comendo pela primeira vez. E isso não significa que você deve partir para o suco.

Raspar ou amassar a fruta são boas opções. Experimente também começar com tipos mais fáceis de serem consumidos , como banana, pera e mamão e abacate. E lembre-se: respeite o tempo do seu filho. É uma questão de treino. Aos poucos, ele já vai estar comendo tudo.

Procure usar a papinha tradicional com o método BLW ( baby-led -weaning) . Isso irá facilitar e estimular o seu bebê para aceitar as frutas de maneira mais fácil e até divertida .

E para os maiores , tá liberado ?

Sucos naturais sem adição de açúcar podem ser incluídos moderadamente como parte da dieta em maiores de 1 ano, mas sucos industrializados não são equivalentes e não devem ser oferecidos.

Fique atenta , pois conforme a criança cresce, sua preferência por suco tende a aumentar (pois é docinho e fácil de tomar) e ela pede cada vez mais, tornando difícil controlar a quantidade.

Há uma possibilidade grande dessa criança passar a preferir o suco à fruta, diminuindo consideravelmente seu consumo e a variedade, passando a aceitar as opções mais pastosas e adocicadas , como banana e maçã.

Fora isso, à medida que a criança pede mais suco, vai ficando mais difícil para essa família manter o consumo de sucos naturais e o industrializado vai ganhando espaço.

Fica a dica .

O que fazer quando o bebê não aceita a papinha salgada?

As crianças que completam seis meses de vida passam por uma profunda mudança, principalmente que envolve a rotina dos pais. Essa fase é a que os bebês são introduzidos a novos alimentos e a amamentação deixa de ser a exclusiva .

É hora de oferecer frutas, sucos e papinhas. Mas nem sempre os pais têm a disponibilidade e tempo para oferecer uma alimentação caseira , feita no hora . Recorrer as papinhas prontas parece ser uma opção rápida e saudável.

De um lado, a praticidade. Do outro, a preocupação com os nutrientes. Afinal de contas, em que situações vale a pena oferecer papinha pronta?

Vantagens da papinha pronta

De fácil aceitação , não há bebê que resista. A papinha industrializada é mais adocicada e a consistência pastosa facilita a ingestão , sem a necessidade da criança mastigar . É bom recorrer a ela somente quando não houver tempo para preparar a refeição com ingredientes naturais, como no caso de passeios ou em viagens longas, já que a papinha caseira pode estragar no caminho por causa da temperatura inadequada.

E a papinha congelada?

Alimentar os filhos de forma saudável, mesmo sem ter tempo para preparar uma refeição caseira, é um desafio para muitos pais. De olho nessa oportunidade, diversas empresas foram criadas para ofertar papinhas naturais e congeladas para bebês. É uma alternativa melhor em comparação à papinha industrializada.

O congelamento é o melhor método de conservação de alimentos, pois dispensa o uso de qualquer tipo de aditivo ou conservante químico.

Entretanto , as mães devem ter muito cuidado com a qualidade das papinhas congeladas , pois devem ter uma condição de higiene adequada para evitar intoxicação alimentar e outras doenças . Nas formas industrializadas, as empresas têm um rígido controle dos processos de preparo, dos ingredientes e sua origem, além de terem profissionais especializados no desenvolvimento de uma composição equilibrada.

Desvantagens

O processamento industrial ajuda a conservar os nutrientes das papinhas devido à esterilização em alta temperatura e ao fechamento a vácuo. No entanto, é importante saber que a biodisponibilidade das vitaminas e dos minerais de um alimento in natura é sempre melhor.

O alimento fresco , seja na papinha de frutas ou de verduras , apresenta texturas e consistências diferentes , sendo muito mais interessante ao paladar . Os alimentos estão aos pedaços , facilitando a identificação de cada um deles , estimulando a mastigação . A refeição tem menor teor de sódio , explorando o sabor com temperos naturais , sendo muito mais saudável .

Sempre faço a seguinte comparação : você prefere descongelar uma lasanha ou comer uma feita na hora ? Não dá para comparar não é mesmo? O cheiro , sabor e o carinho embutidos na refeição são totalmente distintos .

E se o meu bebê não aceita a papinha?

O ninguém conta que, na verdade, é bem comum o bebê rejeitar as primeiras refeições porque tudo é novo para ele. Não é porque ele fez 6 meses que irá sair triturando tudo por aí ( e nem adianta comparar com o irmão mais velho).

Ninguém também conta que o seu filho vai cuspir quase tudo no primeiro dia porque faz parte do aprendizado de mastigar. E ele só aprende a mastigar, mastigando. Então, não se preocupe se você deu a fruta na mão dele em pedaços e ele não comeu nada e só brincou. Faz parte do aprendizado e do controle da coordenação motora explorar e conhecer através do brincar.

Não são raros os casos de bebês que só aceitam a papinha pronta . Neste caso , além de rever o modo de preparo da refeição caseira , uma dica prática é reduzir a quantidade de sal , fazendo uma papinha ” mais doce ” e bater no liquidificador . Aumente a consistência gradualmente , até a criança aceitar os alimentos amassados .

Não se desespere. A introdução alimentar é exatamente como o nome diz, uma introdução. Não é fazer o bebê comer de qualquer jeito , com brinquedos ou tablets e enfiando a colher na boca quando ela está aberta. É ENSINÁ-LO a comer, a ter uma relação prazerosa com a comida.

Fica a dica .