Seu bebê é high need?

O seu bebê não fica calmo por muito tempo, permanece acordado até altas horas da madrugada e dá até medo dos vizinhos chamarem a polícia do tanto que ele chora? Além disso, quer colo a maior parte do tempo, parece estar sempre irritado e quer mamar o tempo todo? Essas são algumas características clássicas de um bebê high need.

Especialmente nos primeiros meses, esses bebês agitados podem virar a rotina da casa e ser um desafio para os pais e pediatras .

O termo high need pode ser traduzido como “grandes necessidades” ou “alta demanda”. Isso significa que um bebê high need é aquele que parece exigir muito mais energia e atenção dos pais e cuidadores do que costuma acontecer. 

SERÁ QUE O MEU BEBÊ É UM HIGH NEED?

As características em comuns nessas crianças são: choro frequente e é muito difícil consolá-lo ( sem causa aparente), reações intensas de alegria e descontentamento, dorme pouco e acorda muitas vezes à noite , irritadiço mesmo quando no colo da mãe.

Se o seu bebê tem esses sintomas , mas não tem nenhum problema de saúde aparente nem está passando por momentos que podem causar estresse, como mudanças de rotina e saltos de desenvolvimento, pode ser que ele seja um high need. E aí, o que fazer?

Bem, de acordo com os especialistas, um bebê de alta demanda não tem nenhum problema mais grave, apenas é mais sensível ao ambiente, o que pode deixá-lo superestimulado com frequência. Além disso, ele tem uma personalidade mais intensa e imprevisível, assim como algumas crianças são muito tranquilas.

O QUE FAZER ?

Paciência e muita paciência. Cada criança é única e o seu filho tem grande necessidade de atenção e com certeza tudo isso vai melhorar em alguns meses . Mas eu separei algumas dicas para você:

● Evite mudanças bruscas na rotina, tente estabelecer um ritual de sono, deixando o quartinho o mais tranquilo possível. Porém, o mais importante é tentar entender o que dá certo com o seu filho especificamente, já que bebês de alta demanda são imprevisíveis e o que dá certo para um pode não funcionar para outro.

● Para suprir a necessidade de atenção do seu pequeno, talvez seja uma boa acostumá-lo com um objeto de transição que pode ser desde uma “naninha” a um ursinho de pelúcia. Assim, mesmo que ele acorde e você não esteja por perto, pode se sentir mais seguro ao notar que aquele objeto tão familiar ainda está ali.

● Para as mamães que podem contar com alguém ao seu lado, é essencial tentar dividir as tarefas sempre que possível para que não haja uma sobrecarga emocional e prática. Além disso, vale a pena contar com uma rede de apoio. Família, amigos, profissionais: se tiver com quem contar, não se sinta constrangida em pedir ajuda.

● Se for possível, os pais podem combinar de se revezar para garantir uma “folga” semanal ao outro. Por exemplo, um na terça e outro na quinta à noite. Nesses momentos, aproveite para dedicar um tempo somente a você para recarregar as energias.

● No dia a dia, por maior que seja o cansaço físico e emocional, procure manter a calma e a tranquilidade. Não se esqueça de que as crianças são verdadeiras esponjas emocionais : pais nervosos , bebê nervoso .

Enquanto estamos vivendo uma fase exigente, é normal pensarmos que as coisas nunca voltarão à tranquilidade de antes, mas a realidade é bem diferente. Lembre-se de que a primeira infância passa em um piscar de olhos. Ter em mente que esse momento desgastante é passageiro é essencial para manter a calma e a paciência.

Bebê cheiroso e sem alergia !

Seu bebê tomou o primeiro banho e você já está passando um perfuminho? Saiba que os pediatras não recomendam o uso de cosméticos em bebês, já que eles ainda não possuem o sistema imunológico desenvolvido e podem ter alergias a produtos muito comuns, como sabonetes e hidratantes .

A pele do bebê é muito sensível, inclusive ao perfume da mãe . Por isso evite o uso de qualquer cosmético. Uma boa dica é usar o mesmo produto do seu bebê.


A alergia pode causar bastante incômodo para o bebê, por isso é importante consultar um pediatra assim que forem observadas as primeiras alterações na pele para que seja possível identificar a causa da alergia e se possa iniciar o tratamento.

As principais causas de alergia no bebê são:

  1. Calor: O calor excessivo, causado tanto pelo o uso de muitas roupas quando pela exposição excessiva ao sol, pode levar à irritação da pele manifestada na forma de brotoeja. São pequenas bolinhas vermelhas que podem surgir no pescoço, debaixo dos braços ou na região da fralda, podendo resultar em coceira.
  2. Tecidos: Pelo fato da pele do bebê ser bastante sensível, alguns tecidos podem causar reações alérgicas no bebê, como por exemplo lã, sintético, náilon ou flanela, pois impedem que a pele respire adequadamente. Assim, é mais indicado o uso de roupinhas de algodão;
  3. Agentes químicos: Alguns tipos de talco, shampoo ou cremes hidratantes podem causar irritação na pele do bebê. Por isso é importante prestar atenção a qualquer alteração na pele do bebê após a utilização de qualquer um desses produtos.

DEU ALERGIA , E AGORA ?

Lave com água em abundância e use sabonete neutro e glicerinado. Evite usar pomadas ou loções por conta própria para evitar que piore a lesão.

Cuidado com as “pomadinhas” de alergia a base de corticoide ! O uso deve ser por um período curto.

O local da lesão auxilia na elucidação do diagnóstico. Uma lesão que acomete somente braços e pernas , sem afetar áreas cobertas como troncos e perineo , indica alergia a um produto aplicado diretamente na pele , como.protwroe solar ou perfumes .

Já lesões em áreas de pescoço, axila e costas é muito provável ser decorrente do calor . Converse sempre com o seu pediatra e evite medicar por conta própria.

DICAS

• Caso a mãe queira deixar um cheiro agradável na pele do bebê, ela poderá fazer um chá natural com camomila e colocar na água do banho. Isso o deixará com um cheirinho gostoso e a pele bem fresquinha .

• Os óleos aromáticos ou os cremes hidratantes formulados especificamente para crianças e bebês são uma boa alternativa , sem agredir o ph natural da sua pele.

• Não use formulações com álcool. É uma substância agressiva para a pele das crianças, especialmente para os bebês porque resseca e irrita, e em contato com os olhos causa coceira e vermelhidão.

• A pele da criança é mais sensível e  absorve as substâncias mais rapidamente. Então, produtos como filtro solar, xampu e loção hidratante devem sempre ser adequados para idade e dê preferência aos produtos hipoalergênicos. • Use perfumes nas crianças maiores   acima de 1 ano.

Já ouviu falar de plagiocefalia?

Quando o bebê está em seus primeiros meses de vida, é comum que sua cabeça penda para um dos lados, já que ele não possui força no pescoço para controlá-la. Por isso, o bebê acaba sempre ficando na mesma posição quando está deitado e “cria” o vício de apoiar o peso da cabeça em apenas um lado, fazendo com que ela fique achatada.

A deformidade da cabeça , na lateral ou atrás , recebe o nome de Plagiocefalia. Um em cada dez bebês sofre desta malformação craniana. Mas , já adiantamos a boa notícia: ela é tratável e pode ser evitada com bons hábitos.

Por que isso acontece ?

É importante lembrar que a parte da moleira da cabeça da criança demora cerca de 15 meses até se fechar por completo e essa é uma das razões da plagiocefalia acontecer, já que como os ossos ainda estão se fechando, qualquer força constante em um lado da cabeça pode fazer com que ela fique achatada.

Na maioria dos casos, a cabecinha torta do bebê pode ser corrigida com simples ações e procedimentos caseiros, mas existem alguns casos que devem receber atenção especial de um especialista o mais cedo possível.

Há um debate intenso sobre esta questão: Enquanto alguns estudos mostram o risco de atrasos no desenvolvimento do bebê, alguns profissionais optam por considerar que a “Síndrome da Cabeça Chata” só tem efeitos estéticos.

Alguns estudos revelam que, se a condição craniana for severa , pode afetar a posição da mandíbula, orelhas ou olhos, com conseqüências na dicção, audição e visão.

Como tratar?

A Plagiocefalia Posicional pode ser revertida quando tratada no período máximo de 1 ano e 3 meses de vida do bebê. Isso acontece, porque após este estágio as suturas cranianas, que costumamos chamar de “moleira”, vão se fechando lentamente. Após os 24 meses o processo está praticamente concluído e a possibilidade de reverter a assimetria se torna nula.

Em casos de menor gravidade, é possível corrigir os danos com mudanças na rotina do bebê e fisioterapia. Já nos casos em que a deformidade está bem avançada, o médico responsável irá receitar o uso de uma órtese, também conhecida como “capacete”, para corrigir a assimetria.

Medidas caseiras funcionam muito bem!

A recomendação de deixar o bebê dormir somente de barriga para cima contribuiu para o aumento da síndrome da cabeça chata. Mas , quando acordado , podemos tomar algumas medidas fáceis de contornar a malformação :

• Não deixe o bebê por muito tempo na cadeirinha: dessa forma, será muito fácil para que a criança fique com os movimentos limitados e deixe a cabeça apoiada em apenas um lado.

• De olho no berço: prefira colocar o berço no meio do quarto. Assim, a criança poderá receber estímulos dos dois lados enquanto ela está deitada, fazendo com que o seu bebê movimente a cabeça para os dois lados, evitando o apoio excessivo em um lado apenas.

• Alguns travesseiros também pode ajudar : com um furo central , auxiliam a manter o formato durante o sono noturno .

• Carregue o bebê de forma correta: evite carregar a criança em posições que a cabeça dele fique apoiada por muito tempo de apenas um lado.

• Deixe-o de barriga para baixo: quando o bebê estiver acordado e quiser brincar, deixe-o em alguns momentos de barriga para baixo. Assim, ele poderá dar um “descanso” para a parte posterior da cabeça e também fortalecerá os músculos do pescoço. Lembrando que é necessário que um adulto esteja por perto quando o bebê ficar nessa posição.

 

7 Mitos e verdades sobre recém -nascidos

São tantas opiniões que tem muita mãe que acaba ficando perdida . É meia no pé, agasalhar muito , colocar ou não para arrotar que no final ninguém se entende , não é mesmo ?

Vamos ver os principais mitos e verdades sobre o recém-nascido :

1. Bebês sentem mais frio que adultos, por isso precisam ser superagasalhados.

MITO . Muitos pais agasalham em excesso o bebê, mas essa prática deve ser evitada. O recém-nascido sente um pouquinho mais de frio do que o adulto , mas não é uma diferença tão grande assim. Alguns sinais podem te ajudar a identificar se o bebê está com frio : as temperaturas das mãos, pés e nariz – se estiverem gelados, significa que a criança está com frio .

2. Bebê tem que ficar com meia no pé para não ficar doente .

MITO. Não sei de onde veio essa , mas não tem fundamento algum . No calor você pode sim deixá-lo mais a vontade , inclusive , sem meias .

3. O bebê precisa arrotar cada vez que mamar.

MITO. Se o bebê não arrotar depois de mamar, não se desespere. O arroto só ocorre quando a criança engole ar enquanto suga o leite materno — o que nem sempre acontece. No entanto, se o bebê toma mamadeira ou tem refluxo, é importante que ele seja segurado por alguns minutos na posição vertical (em pé), antes de ser colocado no berço. Os famosos “tapinhas nas costas” não são necessários para estimular a reação.

4. O bebê deve dormir de lado para não sufocar.

MITO. Segundo as especialistas, a posição correta para o bebê dormir é de barriga para cima e só com a cabecinha na lateral. Elas recomendam o travesseiro antirrefluxo — que tem furos. Ele evita o sufocamento caso o bebê vire o rosto durante a noite. Uma outra medida é evitar bichos de pelúcia e cobertores e protetores no berço do bebê .

5.O seu leite é fraco e não sustenta o bebê . Por isso ele não larga o peito .

MITO. Não existe “leite fraco”. A maior parte das mulheres é capaz de produzir o leite em quantidade e qualidade suficientes. No entanto, durante a amamentação, é importante posicionar corretamente o bebê de modo que ele consiga abocanhar totalmente o bico do peito, para estimular a produção constante do alimento.

6. Precisa limpar a boquinha do bebê depois de mamar.

MITO. Usar gaze com bicarbonato ou mel rosado não são indicados para limpeza da boca . Aliás , a manipulação da boca do bebê pode levar ao sapinho decorrente do uso de objetos contaminados .

7. O bebê vai acordar durante a noite para mamar.

VERDADE. Nos três primeiros meses de vida, isso acontece frequentemente — no mínimo três vezes por noite. Isso porque o estômago da criança é proporcional ao seu tamanho, o que fará com que ela sinta fome com mais frequência. Às vezes, o bebê pode querer se alimentar até mesmo de hora em hora, ou a cada duas horas. A medida que ele for crescendo, as mamadas acontecem com intervalo de três horas. Lembre-se : a mamada é de livre demanda , ou seja , quando o bebê quiser .

Hérnia umbilical : por que isso acontece ?

A hérnia umbilical é uma condição anormal caracterizada pelo surgimento de uma protuberância ( estufamento ) na região do umbigo. O problema ocorre devido ao não fechamento do orifício por onde entram os vasos umbilicais durante o desenvolvimento do bebê .

Durante a gestação, o cordão umbilical fica ligado ao bebê através de uma pequena abertura no abdômen que, geralmente, se fecha antes do nascimento. Contudo, se os músculos não se unem completamente na linha média do abdômen para fechar a abertura, ocorre uma fraqueza na parede intestinal que pode resultar na hérnia umbilical.

Qualquer bebê pode desenvolver esta condição, mas existem alguns fatores de risco que aumentam as chances de apresentar o problema , como no caso de prematuros ou nas crianças com peso de nascimento inferior a 2,5kg.

O que muito pais não sabem é que técnicas antigas de cuidados do umbigo também podem favorecer o surgimento da hérnia . O uso de faixas ou de moedas coladas sob o umbigo do bebê podem dificultar a cicatrização e o fechamento do anel e provocar o surgimento da hérnia.

Hérnia de umbigo dói?

Em muitos casos, a hérnia umbilical não provoca dor na barriga ( cólica) ou desconforto no paciente. O principal sinal é uma protuberância que se forma na região abdominal, que pode ser reconhecida pelo aspecto estufado do umbigo da criança e pelo aumento da saliência no abdômen que ocorre nos momentos em que o bebê chora ou se esforça para fazer cocô, por exemplo.

Como saber se meu filho tem ?

O diagnóstico da hérnia umbilical é bastante simples e dispensa a realização de exames clínicos ou por imagem. O médico pode identificar o problema por meio da análise do histórico da criança e, sobretudo, pela realização de um exame físico, observando a aparência do umbigo e apalpando a região abdominal.

Tem que fazer cirurgia ?

Em grande parte dos casos, a hérnia umbilical desaparece até os dois anos de idade, dispensando qualquer tipo de tratamento. Contudo, quando a protuberância atinge mais de 2 cm ou permanece após esse período, há necessidade de corrigir o problema cirurgicamente.

Ministério da Saúde não recomenda o uso dos polvos na UTI neonatal

Se você visitar uma UTI neonatal irá certamente se deslumbrar com os novos pequenos ajudantes : os polvos de crochê . Nascido na Dinamarca, o Projeto Octo vem ajudando bebês recém-nascidos prematuramente a se sentirem mais seguros e confortáveis nas incubadoras das maternidades .

Ao se abraçarem no brinquedo, os nenéns remetem ao cordão umbilical através dos macios tentáculos dos polvos, e com isso retomam a segurança do útero materno. O efeito calmante reduz a necessidade de medicação e evita que os bebês retirem sondas , monitores e cateteres .

Segundo os relatos, a iniciativa tem efeito positivo no quadro clínico dos bebês , como o ganho de peso e a recuperação mais rápida dos prematuros. Para os médicos, há uma melhora significativa na estabilidade da frequência cardíaca e na respiração dos bebês.

Além da estabilização da frequência cardíaca e respiratória dos prematuros, a ação produz benefícios familiares. O recurso parece incentivar pais e mães a participarem ativamente do processo de hospitalização do filho.

É fundamental, contudo, abrir parênteses para o seu uso.  De acordo com especialistas, o polvo de crochê não deve, em hipótese alguma, substituir outros métodos.  O método canguru, bem como outras técnicas bem-sucedidos que visam beneficiar os prematuros, deve ser mantido com finalidade diferente.

É seguro?

Bebês prematuros são mais vulneráveis, e é imprescindível que cada polvo seja de uso único e higienização correta. Por isso , peles não são reutilizáveis. Quando o recém-nascido recebe alta do hospital, seu polvo de crochê deverá ser levado para casa. O intuito é assegurar que o bebê se adapte confortavelmente à mudança de ambiente.

Apesar do impacto positivo observados pelos hospitais e maternidades no mundo inteiro, o Ministério da Saúde não tem uma posição favorável ao polvo de crochê. O Ministério se posiciona contrariamente à utilização do brinquedo como recurso terapêutico para prematuros.

O Ministério realça que não há qualquer espécie de comprovação científica para os benefícios do instrumento. Especialistas frisam que o instrumento terapêutico recomendado e insubstituível é o contato pele a pele da criança com a mãe, com o pai , como o canguru .

O contato humanizado, em posição canguru, entre mãe/pai e bebê, permanece sendo a prática terapêutica mais apropriada, porque assegura o contato pele a pele com seus pais.

Então está proibido ?

Não . Em nota , o Ministério declara que este tipo de tratamento não tem chancela do órgão , ou seja , o uso é de responsabilidade de cada médico ou hospital . “A utilização de brinquedos na unidade neonatal tem benefícios , podendo ser o polvo , como girafas , sapos , ursos , bonecos , carros , desde que respeitadas as normas e protocolos de combate à infecção hospitalar de cada unidade ” ressalta a nota.

Quer ajudar ?

Se interessou pelo projeto ? Você também pode participar ! É só entrar na página do Projeto Octo : http://www.projetooctobrasil.com.br

Acessando a página você tem várias informações , assim como as medidas e o modelo do bichinho e outras formas de doação.

Você pode inclusive , iniciar o projeto na sua cidade :

Fica a dica .